quarta-feira, 4 de outubro de 2006

ORAÇÃO EM LÍNGUAS 2

Do livro de Jean Lafrance - «Quando orardes dizei: "Pai".»



"É quando já não tens palavras para rezar que é bom deixar rezar o Espírito no teu coração, com gemidos inefáveis. Tais gemidos são profundos demais, para se exprimirem em palavras. no mais intimo do teu coração existe uma melodia secreta, um canto misterioso que quer libertar-se e que não pode, porque geme em dores de parto. Quando o ouvires, fiacarás estupefacto coma sua beleza.
Eis porque, na oração, deves ser levado pelo desejo de cantar o que quer que seja. Se cantas alguma coisa boa, isso será ainda da tua própria lavra. Ao passo que se puderes deixares-te levar - é isto o espírito de infância - deixarás que se expanda o que de mais profundo há em ti e que desconheces. Deus colocou em ti o murmúrio do Seu Espírito, mas tu abáfa-lo com as tuas ideias, os teus cálculos e os teus programas.
Deus pede-te que não controles a tua oração, mas que deixes brotar do teu coração esse canto novo do qual ninguém conhece a partitura, a não ser aquele que a recebe e no momento que a canta. Descobrirás assim o esplendor que sai de ti mesmo, porque foi o próprio Deus que o depôs lá. Não abafes a espontaneidade do Espírito que dorme em ti. No Céu, isto será perfeito, pois descobrirás na luz de Deus como és um servo inútil. E ao mesmo tempo, descobrirás a tua verdadeira importância que é seres um adorador em espírito e em verdade, tal como o Pai os procura (Jo 4,23).»

6 comentários:

a capela disse...

Depois de te agradecer mais esta 'achega', digo-te que começam a surgir respostas para as questões que a maioria dos que desconhecem (e eu nesse grupo) a oração no Espírito se colocam a si próprios e a primeira, para quem se propõe a aprofundar, será: 'Mas como faço para rezar assim?' - Rezando! Penso que enquanto não confiarmos, nada feito. Não sucederá a libertação de nós mesmos, a entrega e o abandono à Sua vontade; talvez mais fácil se em grupo pelas primeiras vezes. Será? Foi assim contigo?

Isto, porque tu o fazes todos os dias e não tens já qualquer dúvida. Mas deixa perguntar: assim e como quem tira um tempo para um terço?
Àquelas primeiras perguntas - 'como sei que estou a orar em línguas', 'como saber que ele/a está?', já não se me põe, porque se se está, sabe-se. Simplesmente. E a partir daí se reconhece a oração em outro.

É pena e pelo que te leio, que não se difunda mais como tu estás a fazer aqui, porque se rezaria muito mais e muito melhor. e porque o mundo precisa de oração. É sobretudo isto que é preciso dar a conhecer e por isso te agradeço.

Mas ainda outra coisa: sendo um dom, não é dado a todos, como outros dons são dados a outros, certo? É que quando me perguntaste porque não tentei novamente, mais tarde, (e só mesmo mais tarde reflectindo) senti que me colocaste a questão sobre os talentos e que talvez e então, não devesse desperdiçar, e isso foi bom, porque logo pensei que o devia - em benefício de outos. Essa coisa de 'dons' não é tão fácil assim de se lidar. Logo nos achamos demasiado pequenos, nada digonos, mas esquecemos que talvez e que precisamente pela nossa inutilidade, a Sua generosidade, ainda assim no-la aproveite, para servirmos e que é bom não incorrermos no engano de duvidar da Sua infinita Misericórdia, bondade, piedade. Ver mais por aí e acreditando que de facto, é o Senhor, que opera em nós, e em tudo, as Suas maravilhas e sem qualquer mérito da nossa parte. Buscar mais essa humildade e então livres de qualquer ponta de vaidade, preconceito, dispormo-nos à Sua vontade e acção.

Meditei assim, abri o espírito, e sim, vou aceitar o teu desafio.

Abraços!
Malu

P.S. Outras perguntas virão. Tem paciência :) e obrigada.

a capela disse...

dignos - deve ter mais erros para corrigir :(

joaquim disse...

Cara malu
Perdoa-me desde já se aquilo que vou escrever possa parecer uma "lição" ou qualquer outra coisa assim.
Não sou, não quero ser ninguém, mas apenas o servo inútil de que Deus se pode querer servir.
O Espírito actua em quem, onde e quando quer, mas com certeza naqueles que a Ele querem estar abertos.
A oração diária "deve" ser:
«Vem Espírito Santo».
Agora podemos pedir-lhe tudo o que for de Sua vontade para nós, incluindo o "Dom de cantar, de orar em línguas".
Como sabes, bem melhor que eu, os dons do Espírito Santo são para todos os que a Ele se abrem e para o bem comum.
A oração em línguas é um dom que nos leva cada vez mais à entrega mais completa, na medida em que nos "esquecemos" de nós e sobretudo do que os outros pensam de nós.
Lembras-te quando ouviste a primeira vez, como eu, e pensaste:
"está tudo doido".
Ser "louco" para os outros servindo o meu Deus e os Seus filhos.
Como todos os dons do Espírito, a oração em línguas é para ser praticada, exercitada, se não acaba guardada, adormecida no nosso coração, como tantas vezes o nosso Baptismo, o nosso Crisma, e então de "nada serve", porque não nos edifica, nem edifica os irmãos.
Como diz Paulo na Carta aos Corintios, é o menor dos dons, mas nem por isso deixa de ser Dom.
Muitos recebem este Dom de repente e não percebem no momento o que aconteceu, porque o Espírito sopra quando e onde quer.
Já tiveste, já fizeste essa experiência, por isso pede-Lhe novamente essa graça e deixa que na intimidade da tua oração Ele coloque no teu coração, na tua boca o canto dos anjos que nós não entendemos.
Malu, quando ele irromper de e em ti, tu terás a certeza no teu coração, que é o Espírito Santo que ora em ti.
Lógicamente que em grupo de oração, rodeado por aqueles, (iguais aos outros em tudo), que oram em línguas, é mais fácil para nós a entrega ao dom.
Não sei onde vives, mas com certeza no, ou junto à tua morada, existem grupos de oração do Renovamento Carismático.
Vai, frequenta, deixa-te de levar pelo "clima" de oração e depois, quando sentires que o Espírito ora em ti, prossegue o teu caminho, na espiritualidade que o Senhor escolheu para ti, seja ela qual for, dentro da nossa Igreja Católica Apostólica Romana.
Parafraseando:
«Aos que têm será dado, mas ao que não têm até o pouco que têm lhes será tirado».
Simples e humanamente falando, se o Senhor me deu um Dom eu devo exercitá-lo, para o servir e servir os irmãos, porque se não para que serve o Dom?
Desculpa se em algo pareci "professor" ou qualquer coisa assim. Não era minha intenção, mas sim testemunhar e transmitir o que na minha vida, Deus vai fazendo e que tantas vezes eu próprio bloqueio com a minha humanidade.
Esclareceu alguma coisa?
Pergunta, que eu se não souber perguntarei a quem sabe.
Em tempo ainda: sabes tão bem como eu que nunca somos dignos de nada, mas que tudo é Graça.
Obrigado Malu, por me fazeres sentir útil.
AbraçemCristo
Joaquim

a capela disse...

Joaquim,

Não imaginas como te agradeço e eu é que me sinto um tanto ou quanto encafifada por te fazer escrever tanto.

Agradeço-te ainda pela 'lição'. Não tenho problema nenhum em afirmar-me absolutamente leiga na matéria e que por isso, muitissimo mais grata por um professor, aqui mesmo à mão. Que bom, que sorte!

De facto, este é um assunto que me é completamente alheio e de renovamento carismático, embora já tenha participado em algumas noites de oração e celebrações, tambem pouco sei. O Padre Lapa, uma vez impôs-me as mãos e arranjou maneira de me ter quietinha pelo resto da noite (ainda acho que era o propósito... estou a brincar) e não se brinca com este assunto, mas é maneira que arranjo para te dizer que é experiência que não se esquece.
Marcou-me e tu vieste despoletar toda esta agitação que eu não sabia ter ainda guardada em mim. Só pode ser bom, não estou aqui por simples curiosidade, e, da Sua generosidade, eu quero é tudo e muito mais.

Sou de Lisboa Joaquim, (ou por enquanto pq tou doida pra fugir) mas acompanhei a minha mãe em algumas noites de oração de um grupo no Estoril. Ela sim, participava, e eu estarei então enquadrada no grupo daqueles (como li hoje na Pneuma) que passam, vão e voltam, até aqui, sempre procurando escapar-me a sós para Fátima e sempre que posso. Quero dizer que sinto muito essa necessidade de afastar-me e refugiar-me depois lá. Mas tudo muda, e tu estás a dar-me (quem sabe?) bons motivos para que faça uma boa reavaliação, sobre mim, ou principalmente no que toca ao meu caminho. Bem vês que foste-me o mais útil possível, sim. E porque reacendeste alguma coisa em mim, que dormia, e outras mais que me dás agora a descobrir.

Muito, muito obrigada mesmo!

Malu

P.S. Ah Joaquim, na morada que o site dá vou informar-me sobre os grupos de oração ;)

joaquim disse...

Malu
Como vives em Lisboa tens todas as semanas, à Terça feira, 21 horas, na Igreja de Santa Isabel, entre o Rato e a Estrela, (que coisa estranha dita assim), a Oração da Pneumavita, fundada pelo Padre Lapa.
Já lá falei duas ou três vezes.
AbraçemCristo
Joaquim

a capela disse...

Continuo a vir aqui 'espreitar' notícias sobre o assunto. No post anterior, gostava de ter substituido a palavra 'foste', por: 'tens sido'´muito útil e porque agora o interesse aumenta.

E falarás mais vezes lá? Quando recomeçam todas as actividades? Para as minhas bandas só lá para dia 10 :(

Beijinho e obrigadíssima!!

Malu