domingo, 25 de janeiro de 2015

CONVERSÃO DE SÃO PAULO

.
.







No dia 25 de Janeiro a Igreja comemora a conversão de São Paulo.
Habituámo-nos a olhar para Saulo como um homem terrível, um criminoso que perseguia os cristãos para os matar. Enfim um homem que nada tinha a ver com Deus.
E realmente pelo que a Bíblia nos conta, Saulo, perseguia os cristãos para os prender, para os entregar à justiça daqueles tempos, justiça essa que invariavelmente os condenava à morte.
Tal se percebe logo no relato do martírio de Santo Estêvão, em que Saulo está presente, pois o Livro dos Actos dos Apóstolos narra especificamente que: «As testemunhas depuseram as capas aos pés de um jovem chamado Saulo.» Act 7, 58
Mas Saulo não era um homem “fora de Deus”!

Pelo contrário, Saulo era um homem que procurava Deus, que procurava viver Deus na sua vida, que estudava e tinha conhecimentos profundos das Escrituras e tentava vivê-las o mais fielmente que lhe era possível.
Devemos lembrar-nos que naqueles tempos as leis não eram as leis que hoje temos e que, portanto, aquilo que hoje aos nossos olhos é incompreensível, (os martírios, etc.), eram naquele tempo compreendidos de outro modo.
Aliás, os ensinamentos de Jesus Cristo vieram precisamente mudar esse tipo de leis, para fazer compreender aos homens que Deus é amor e que tudo o que é feito em seu nome, tem de ser feito em amor.

Saulo era portanto um homem que procurava Deus, que procurava com entrega total servir a Deus.
Quando Saulo se desloca para Damasco, (a pé, porque os Actos dos Apóstolos não nos referem cavalo algum), vai na sua consciência para servir a Deus, pois a sua missão era prender aqueles que seguiam a Cristo e que nesse tempo eram entendidos como uma seita fora de Deus.

E, «quem procura, encontra» Mt 7, 8, por isso Saulo, nessa sua procura de Deus, vai encontra-lO num caminho em que ele nunca O esperaria encontrar.
É o próprio Jesus Cristo que o vai fazer entender que o Deus que Saulo procura é Aquele que ele mesmo persegue. «Saulo, Saulo, porque me persegues?» Act 9, 4

A resposta de Saulo leva-nos logo a perceber que embora pergunte, «Quem és Tu, Senhor?», ele já sabe que encontrou o Deus a quem quer servir, pois logo O trata por Senhor.
De tal maneira O encontra que não hesita nem um pouco em fazer tudo aquilo que aquele Senhor lhe ordena que faça.
Saulo encontra Deus e uma vida nova lhe é dada, uma vida de inteiro serviço a Deus, uma vida já não como Saulo, mas agora como Paulo.

Duas notas interessantes são as seguintes:
1 – Saulo perseguia os cristãos e a voz que o interroga, Jesus Cristo, perguntando «porque me persegues?», faz perceber que, ao perseguir os cristãos, Saulo persegue o próprio Cristo, o próprio Deus, que assim se faz Um connosco.
Como nos diz o próprio São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios, explicando-nos o Corpo Místico de Cristo: «Assim, se um membro sofre, com ele sofrem todos os membros; se um membro é honrado, todos os membros participam da sua alegria.» 1Cor 12, 26

2 – Não interessa o que fizemos no nosso passado, se verdadeiramente queremos encontrar Deus nas nossas vidas.
Se O procuramos de coração aberto, Ele faz-se encontrado connosco, toma-nos pela mão, e faz de nós mulheres e homens novos.

Marinha Grande, 19 de Janeiro de 2015
Joaquim Mexia Alves

Nota:
Texto publicado no "Grãos de Areia", Boletim da Paróquia da Marinha Grande, distribuído este fim de semana.
.
.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

DIÁLOGOS COM O MEU EU (3)

.







Agora a sério, tu acreditas mesmo?
Claro que acredito!

Acreditas que Jesus Cristo está mesmo na hóstia que comungas?
Já te disse que acredito com toda a força do meu ser!

Mas como é que podes acreditar se não O vês?
Estás enganado, eu vejo-O porque acredito!



Monte Real, 15 de Abril de 2013
Joaquim Mexia Alves
.
.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

DIÁLOGOS COM O MEU EU (2)

.
.


Hoje é Domingo!
Eu sei.

Já te lembraste d’Ele?
Logo de manhã, ao levantar.

O que é que Lhe disseste?
Obrigado, Senhor, por mais um dia.

E agora?
Agora estou a lembrar-me d’Ele outra vez.

Porquê?
Porque tu me chamaste a atenção para Ele.

E o que Lhe queres dizer?
Obrigado, Jesus, por estares comigo. Fica comigo toda a semana e para sempre.

E achas que Ele fica?
Ah, fica, fica! Eu é que me afasto muitas vezes d’Ele!

Então?
Não tem problema. Ele conhece-me e ama-me com amor eterno.

Ai sim?
Sim! Basta eu dizer sim e Ele logo me dá a mão!


Marinha Grande, 14 de Abril de 2013
Joaquim Mexia Alves 
.
.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

DIÁLOGOS COM O MEU EU (1)

.
.





Não tenho medo!

Não tens medo?
Sim não tenho medo!

Mas não tens medo de quê?
Medo da vida, ora essa!

Da vida não se deve ter medo, da morte é que sim!
Mas eu não tenho medo da morte, porque não tenho medo da vida!

Essa agora???
Eu não tendo medo da vida, porque a vivo em Cristo, não tenho medo da morte, porque é preciso morrer para viver a verdadeira Vida? Percebes agora?


Marinha Grande, 13 de Abril de 2013
Joaquim Mexia Alves

Nota:
Começo hoje aqui a publicação destes "Diálogos com o meu eu", que nunca tinha publicado neste espaço.
.
.

sábado, 10 de janeiro de 2015

DIÁLOGOS COM O MEU EU (20)

.
.





Perante as notícias sentes vontade de pegar em armas e resolveres tudo de uma vez não é?
Sim, sem dúvida, aqueles criminosos mereciam o pior, ou seja, a morte!

E tu, se fosse preciso, ajudavas a isso, não é quase o que te apetece?
É verdade, mas alguma coisa me impede de aderir totalmente a essa ideia.

Sabes porquê?
Não.

Lembras-te da história? Jesus Cristo foi ofendido, insultado, cuspido, ultrajado, torturado e no fim foi horrorosamente crucificado!
É verdade!

E lembras-te do que Ele disse, perante tais coisas? «Perdoa-lhes Pai, que não sabem o que fazem.»
É verdade!

Vês o paralelo com as notícias? Uns insultaram-no e aos seus também, (com desenhos e graças degradantes), e outros depois mataram-nO, naqueles que antes O tinham ofendido.
É difícil pensar assim!

Pois é, mas não achas que Jesus Cristo, perante uns e outros, não diz na mesma: «Perdoa-lhes Pai, que não sabem o que fazem.»?
Acredito que sim.

Então faz tu também na mesma, no intimo do teu coração e reza por todos eles.


Marinha Grande, 10 de Janeiro de 2015
Joaquim Mexia Alves
.
.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

DIÁLOGOS COM O SENHOR DEUS (9)

.
.




Senhor, perdoa-me, mas deixa-me explicar-Te porque pequei.

Meu filho, eu conheço as tuas razões. Interessa-me apenas o teu arrependimento e o propósito de quereres não voltar a pecar.

Mas, Senhor, é que eu pequei porque fui levado a isso, e assim queria explicar-Te a razão do meu pecado.

Pois, mas Eu sei que na tua explicação vais envolver outras pessoas que te terão, segundo a tua ideia, levado a pecar. Mas o pecado é teu, meu filho, foste tu que o cometeste e não outro por ti.

Mas a verdade é que se não fosse essa pessoa, eu não teria pecado.

Não, meu filho, a verdade é que tu pecaste porque te deixaste cair no pecado. A culpa da outra pessoa é dela e tu não tens que a julgar, ou servir-te dela como responsável do teu pecado.

Mas eu queria tanto contar-Te como tudo se passou.

E Eu não quero ouvir para teu bem. Se contares o que julgas que aconteceu, vais acusar outra pessoa, vais julgar outra pessoa, vais condenar outra pessoa, e assim voltas a pecar. O teu arrependimento basta, mas para ele ser verdadeiro tens que assumir a culpa, não podes transferir a tua culpa para outro.

Sim, Senhor, tens razão, como sempre. Estou a arranjar desculpas para uma decisão que foi apenas minha. Perdoa-me, Senhor, não só essa decisão mal tomada, mas também o julgamento e acusação que intimamente estava a fazer a outrem.

Aproxima-te da confissão, conta os teus pecados, arrepende-te, dispõe-te a não voltares a pecar, aceita o meu perdão dado pelo sacerdote, e não te esqueças de rezar por essa outra pessoa.

Obrigado, Senhor! Realmente, só Tu és a Verdade!


Marinha Grande, 7 de Janeiro de 2015
Joaquim Mexia Alves
.
.

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

DIÁLOGOS COM O SENHOR DEUS (8)

.
.




Senhor, aproxima-se o começo de um novo ano e no meu coração e na minha mente tenho um grande desejo de mudar coisas na minha vida.

Então, meu filho, e o que pretendes mudar?

Oh, Senhor, mudar o meu feitio, (por vezes um pouco irrascível), as criticas e julgamentos que faço aos outros, a minha ânsia, por vezes, de protagonismo, o meu orgulho e a minha vaidade.
Tantas coisas, Senhor, que preciso de mudar.

Pois, meu filho, essa é uma boa mudança, mas sabes bem que não acontece apenas por prometeres fazê-la, sabes bem que essa é uma mudança de combate diário.

É verdade, Senhor, e eu percebo bem isso, porque tantas vezes prometo, tantas vezes começo e tantas vezes vou arranjando desculpas para me convencer que afinal está tudo bem.

Sabes, meu filho, a maior parte das vezes que começas essas mudanças esqueces-te que Eu estou aqui e que te posso e quero ajudar, mostrando-te caminho para o fazeres.

Tens razão, Senhor, empenho-me muito, mas rapidamente perco forças para continuar a mudança que quero fazer.

E já me perguntaste o que realmente deves mudar em ti? Tens a certeza de que é isso que Eu quero que mudes em ti? Não serão essas coisas reflexo de outras que deverias mudar e assim talvez estas de que agora falas acabassem por não te incomodar ou parecer tão importantes na tua conversão diária?

Talvez, Senhor, talvez! Mas como fazer, como perceber a tua vontade, como perceber o que queres que eu mude em mim, ou melhor que deixe Tu mudares em mim?

Disseste tudo, meu filho! Que tu deixes Eu mudar em ti! Para isso é preciso estares cada vez mais perto de Mim, mais em comunhão comigo, ou seja, que não me excluas de nada da tua vida, nem mesmo dos erros em que cais como qualquer homem cai.

E como faço isso, Senhor?

Procura-me mais na Eucaristia, na Comunhão, na oração, sobretudo no teu coração. Se assim fizeres conseguirás, comigo, as mudanças que necessitas fazer para a tua conversão ser uma realidade diária. Sabes porquê?

Não, Senhor, diz-me por favor?

Porque «Eu renovo todas as coisas»*!


*Ap 21,5

Marinha Grande, 30 de Dezembro de 2014
Joaquim Mexia Alves



Com este texto quero desejar a todas as amigas e amigos, bem como a todos as/os que visitam esta página, um Bom Ano Novo, cheio das bênçãos de Deus.
.
.

sábado, 20 de dezembro de 2014

CONTO DE NATAL 2014

.
.





Lá fora a escuridão permanecia, naquela cidade sem luz, destruída desde o início da guerra.
Aqui e ali, o céu era cruzado por luzes brilhantes que nada tinham a ver com as estrelas do céu, mas sim com o rasto de balas “tracejantes” disparadas a uma velocidade assustadora.
Parecia que naquela noite era ainda maior o número dos disparos, das luzes que rasgavam o céu, do barulho ensurdecedor das granadas que explodiam numa cadência infernal, mas que dada a rotina da guerra, já faziam parte da vida de cada um.

Numa casa simples, toda marcada exterior e interiormente por marcas de rajadas de balas disparadas por insistentes metralhadoras, uma pequena família, (os pais e dois filhos), acotovelavam-se, agachados no chão de uma pequena sala, para serem assim alvos menos expostos à insanidade daquela guerra.

No meio deles, colocadas no chão, estavam algumas figuras moldadas em barro, nas quais se podia distinguir, um recém-nascido deitado nuns bocaditos de palha, uma figura feminina, outra masculina, e algo que fazia lembrar, vagamente, um burro e uma vaca.

Olhavam uns para os outros, e no seu olhar transparecia um medo, quase um terror, que os irmanava e os fazia sentir ainda mais dependentes uns dos outros.
O silêncio entre eles era avassalador, e o pai insistia mesmo nesse silêncio, sobretudo quando na rua se ouviram passos pesados e apressados, que pararam junto à porta de sua casa.

O pai então olhando para todos, fez um gesto para darem as mãos, e sussurrando, o mais baixo que lhes era possível, começaram a recitar o Pai Nosso.

Quase se podia ouvir o silêncio, e, no entanto, dir-se-ia que aquela oração rezada assim era uma melodia que enchia todo aquele espaço, se tornava numa luz incompreensível que tudo transformava, e a verdade é que, quando se olharam nos olhos, o seu olhar já não reflectia o medo, o terror, mas uma paz imensa, a paz de quem sente que está protegido, e que, aconteça o que acontecer, essa protecção é maior do que todo e qualquer mal que possa bater à porta.

Inclinaram-se uns para os outros, e como num suspiro, murmuraram ao ouvido de cada um: Santo Natal, na paz e no amor do Senhor Jesus, que se faz Homem como nós!

Nesse momento a porta abriu-se com estrondo, e um homem alto, com umas barbas hirsutas, um pano envolvendo a cabeça, um olhar de fogo e uma metralhadora nas mãos, apareceu na soleira da casa.

Os quatro, sem nada combinarem entre si, disseram ao mesmo tempo: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade!

O homem olhou, o olhar enterneceu-se num fugaz momento e, voltando-se para fora, gritou fechando a porta: Não está ninguém. A casa está vazia. Os infiéis que aqui viviam já fugiram!

Dentro da casa, olhando para fora, toda aquela família parecia ver agora nos traços das balas que rasgavam o céu, a estrela misteriosa que guia os homens ao encontro do Salvador da Humanidade.


Marinha Grande, 20 de Dezembro de 2014
Joaquim Mexia Alves


Com este Conto de Natal quero desejar a todas as amigas e amigos, bem como a todos as/os que visitam esta página, um Santo Natal, na alegria do Deus que se fez Homem para nos salvar.
.
.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

DIÁLOGOS COM O SENHOR DEUS (7)

.
.




Joaquim, tu amas-me?

Senhor, sabes bem que eu gosto de Ti.

Joaquim, tu amas-me?

Senhor, sabes bem que eu gosto muito de Ti.

Joaquim, de verdade, tu amas-me?

Oh Senhor, Tu que tudo sabes e vês, não sabes bem que eu Te amo?

Oh Joaquim, gostar não é amar!

Pois não, Senhor, mas a verdade é que algumas vezes “apenas” gosto de Ti.

Então porquê?

Porque, Senhor, às vezes precisava de perceber melhor o caminho e Tu não mo mostras. Às vezes precisava sentir-Te mais perto de mim e Tu não me tocas. Às vezes peço-Te coisas que Tu não me dás.

Bem, Joaquim, tu acreditas que Eu te amo com amor infinito?

Sim, Senhor, acredito.

Acreditas que Eu sou omnisciente e portanto sei o que é melhor para ti e aquilo que te pode afastar do meu caminho?

Sim, Senhor, acredito.

Então, Joaquim, se acreditas que Eu te amo com amor infinito, que só Eu sei o que é bom e mau para ti, como podes duvidar de que estou a teu lado e que tudo o que faço e te dou, é para teu bem?

Mas, Senhor, eu não compreendo porque é certas coisas que me parecem boas, e assim sendo mas poderias conceder, afinal, por aquilo que me dizes, não serão boas para mim?

Lembras-te de quando eras mais novo e os teus pais te diziam para não fazeres isto ou aquilo porque depois te ias arrepender?

Sim, Senhor, lembro-me bem.

E eles não tinham razão? Não constataste isso mesmo na tua vida?

Oh sim, Senhor, ainda hoje em dia faço a mesma coisa aos meus filhos e eles não percebem e julgam que naqueles momentos não gosto deles, por não lhes dar o que me pedem.

Vês, percebes agora? Tu para mim és um filho muito querido, mas ainda uma criança que procura a verdadeira vida, a vida que Eu te quero dar. Por isso tenho que velar constantemente por ti. Um dia, quando viveres a vida que não acaba, a vida que já não precisa de fé, pois já é toda só amor, perceberás porque é que o meu amor te dava apenas o que verdadeiramente precisavas.

Obrigado, Senhor! Quero perceber melhor e amar-te mais, cada vez mais, e por causa desse amor, fazer apenas a tua vontade.


Marinha Grande, 16 de Dezembro de 2014
Joaquim Mexia Alves
.
.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

“ANUNCIAÇÃO AOS PECADORES”

.
.



Ao reflectir no Evangelho da Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria, veio ao meu coração o seguinte texto, pegando na referida e tão conhecida passagem do Evangelho de São Lucas.

Estava o homem entretido na sua vida, quando apareceu um Anjo de Deus e lhe dirigiu as seguintes palavras:
Salvé, filho de Deus, o Senhor ama-te com amor infinito.

O homem ficou perturbado e questionou-se acerca do que é que ali se estava a passar.

O Anjo continuou:
O Senhor escolheu-te para seres santo, para caminhares o caminho da santidade.

O homem disse ao Anjo:
Como pode ser isso se eu sou um pecador?

O Anjo respondeu-lhe:
O Espírito Santo derramar-se-á em ti, iluminar-te-á e dar-te-á forças para caminhares o caminho da santidade.

E continuou:
Também Pedro negou três vezes o Senhor, também Madalena muito pecou, também Agostinho levou uma vida dissoluta, e no entanto são Santos, como tantos outros, para que saibas que a Deus nada é impossível, desde que o homem se deixe tocar por Ele.

O homem baixou a cabeça e disse:
Faça-se então a vontade do Senhor, e que eu saiba sempre recorrer a Ele quando me faltar o discernimento e a força para viver o caminho da santidade.



Marinha Grande, 9 de Dezembro de 2014
Joaquim Mexia Alves


Nota:

Este texto foi-me inspirado pela homilia de ontem do Padre Patrício Oliveira, Vigário da Paróquia da Marinha Grande.
.
.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

BISPO, SUCESSOR DOS APÓSTOLOS

.
.










Neste Domingo que passou, 1º Domingo do Advento, houve celebração do Sacramento da Confirmação na minha paróquia da Marinha Grande, com uma dupla alegria para mim, pois o meu filho André foi nessa celebração Confirmado.

Mas houve algo que parecendo não ter nenhum sentido especial, me tocou profundamente, e é disso mesmo que quero dar testemunho.

Durante a procissão de entrada, olhei para o Bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, com a sua figura amável e acolhedora, e vi/senti pela primeira vez em Igreja, a presença de um Apóstolo, ou seja, como nos ensina a Igreja, de um sucessor dos Apóstolos.
Não por ser o “meu” Bispo, que muito estimo, mas por ser um Bispo da Igreja Católica Apostólica Romana.

Esse modo de ver/sentir deu-me uma alegria imensa, deu-me a certeza inabalável de ser Igreja de Cristo, a Igreja de que São Mateus nos fala no seu Evangelho.

Gostaria de ser capaz de descrever a paz, a imensa paz que senti nessa tão simples constatação.

Senti-me transportado àquele tempo, ou melhor, senti aquele tempo transportado àquele momento, àquela celebração, senti a Igreja num todo, passado, presente e futuro, em Jesus Cristo, o único Pastor e Redentor, com os seus Apóstolos.

De vez em quando, Deus dá-nos/dá-me estas consolações, estas graças, estes sinais, como que a dizer-nos/dizer-me, como disse a Tomé: «não sejas incrédulo, mas fiel.» Jo 20, 27

Talvez aqueles a quem distribuí a comunhão, (como ministro extraordinário da comunhão), tenham percebido em mim uma alegria que não consegui conter, pois mesmo sem espelho à minha frente, eu senti que um sorriso sincero, aberto e cheio de paz, se fazia presente na minha cara.

Glória ao Senhor, que tanto ama o pecador!


Marinha Grande, 4 de Dezembro de 2014
Joaquim Mexia Alves


Nota:

Decreto CHRISTUS DOMINUS sobre o múnus pastoral dos Bispos na Igreja

2. Nesta Igreja de Cristo, o Romano Pontífice, como sucessor de Pedro, a quem o mesmo Cristo mandou que apascentasse as suas ovelhas e os seus cordeiros, está revestido, por instituição divina, de poder supremo, pleno, imediato e universal, em ordem à cura das almas. Por isso, tendo sido enviado como pastor de todos os fiéis para promover o bem comum da Igreja universal e o de cada uma das igrejas particulares, ele tem a supremacia do poder ordinário sobre todas as igrejas.

Por outro lado, porém, também os Bispos, constituídos pelo Espírito Santo, sucedem aos Apóstolos como pastores das almas, e, juntamente com o Sumo Pontífice e sob a sua autoridade, foram enviados a perpetuar a obra de Cristo, pastor eterno. Na verdade, Cristo deu aos Apóstolos e aos seus sucessores o mandato e o poder de ensinar todas as gentes, de santificar os homens na verdade e de os apascentar. Por isso, foram os Bispos constituídos, pelo Espírito Santo que lhes foi dado, verdadeiros e autênticos mestres, pontífices e pastores.
.
.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

CHAMASTE-ME, SENHOR?

.





Chamaste-me, Senhor?

Pareceu-me ouvir a tua voz
vinda de dentro de mim,
da mente, do coração,
do centro do amor e da paz,
da minha vida,
do meu eu,
onde Tu estás.

Chamaste-me, Senhor?

É que ouvi um sussurro,
num fugidio momento,
um canto, uma melodia,
um suspiro,
parecia levado p’lo vento,
tão repleto de alegria,
que respondo ao chamamento.

Chamaste-me, Senhor?

É que senti no coração
um amor tão grande e puro,
que logo me apercebi,
sendo eu assim tão impuro,
que esse amor feito oração,
só podia vir de Ti.

Chamaste-me, Senhor?

Aqui estou ajoelhado,
esperando que me levantes,
assim por Ti abraçado,
cheio da tua bondade,
abrindo-me todo a Ti,
para fazer a tua vontade.

Chamaste-me, Senhor?

Aqui estou!
Enche-me do teu amor,
e envia-me,
porque por Ti, Senhor,
eu vou!



Marinha Grande, 27 de Novembro de 2014

Joaquim Mexia Alves
.
.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

DIÁLOGOS COM O SENHOR DEUS (6)

.




Joaquim, «desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa».

Mas, Senhor, desço de onde?

Da árvore a que subiste!

Mas eu estou com os pés na terra, não estou em cima de nenhuma árvore!

Tens a certeza? Tenho que te explicar tudo? Não queres pensar um pouco?

Bem, Senhor, eu acho que já não preciso subir à árvore para Te ver. Já Te vejo bem na minha vida.

Pois Eu digo-te que estás em cima de uma árvore e assim não Me podes ver, como Eu gostaria que me visses.

Bem, Senhor, pões-me a pensar de que cimo de árvore Te verei eu.

Então pensa bem, (com a ajuda do Espírito Santo que te dou), e depois «desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa.»

É verdade, Senhor, afinal estou em cima de uma árvore e não Te consigo ver bem! Está a imagem um pouco desfocada, não consigo alcançar todo o teu amor, toda a tua vontade.

Então e porquê, Joaquim?

Oh, Senhor, porque estes ramos me tapam a vista, aliás, percebo agora que esta ramagem me prende e não me deixa descer ao teu encontro.

Olha bem para esses ramos, analisa-os, e depois perceberás o que precisas fazer para deles te libertares.

Reconheço agora, Senhor, um ramo de orgulho, ali ao lado um outro ramo de vaidade, ainda outro de autoconvencimento, mais um de ânsia de protagonismo, ai, Senhor, e um ramo de crítica e maldizer que me agarra com tanta força que não me deixa mover.

Percebes agora em que árvore te encontras, que não te deixa ver-me como Eu quero que me vejas, e não te deixa descer ao meu encontro?

Percebo, Senhor, percebo! E agora, como faço para me libertar desta árvore em que me encontro?

Dar-te-ei o que precisas: Toma o meu amor, para que ames sem orgulho, toma a minha simplicidade, para que te sintas igual aos outros, toma o meu discernimento, para que saibas que tudo o que tens te vem de mim, toma a bacia em que lavei os pés dos meus Apóstolos, e serve-te dela para servires os outros, toma a minha humildade, para que vejas em ti primeiro todos os defeitos e ao rezares por eles, rezes também pelos dos outros.

Oh, Senhor, começam a desprender-se os ramos deixando-me descer da árvore para ir ao teu encontro! Mas alguns ainda vêm muito agarrados a mim.

Não te preocupes! «Desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa», e se nela me deixares fazer morada, todos esses ramos serão queimados no fogo que arde sem consumir.

Obrigado, Senhor, obrigado. Que a minha vida seja a tua morada para sempre.


Marinha Grande, 18 de Novembro de 2014
Joaquim Mexia Alves
.
.