segunda-feira, 14 de agosto de 2017

A MÃE NO CÉU

.
.






Foste levada ao Céu,
Mãe,
e nos teus braços,
queres levar-nos,
também.

Disseste sim,
Mãe,
e pedes-nos
que digamos o nosso sim,
também.

Toda te entregaste por Ele,
Mãe,
e queres que cada um de nós,
se entregue,
como Tu,
também.

Ama-lO,
com o teu amor de
Mãe,
e assim nos amas,
a cada um,
também.

No Céu,
vives em esperança,
Mãe,
enquanto esperas por nós,
também.

Pela tua intercessão,
Mãe,
pede-lhe,
que Ele toque o nosso coração,
a nossa vida,
também.

Obrigado,
obrigado,
Mãe!



Marinha Grande, 14 de Agosto de 2017
Joaquim Mexia Alves
.
.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

A MEMÓRIA E AS COISAS DE DEUS

.
.






Há cerca de duas semanas uma reunião de trabalho levou-me a Lisboa, por acaso, muito perto do primeiro colégio que frequentei desde a 1ª classe até ao 2º ano do Liceu, (nos anos 50), e que era o Externato Marista de Lisboa, na Rua Artilharia Um.

Ao fim de 50 anos decidi entrar pelo velho portão, (que já não existe), e percorrer aquela rua de acesso, tendo reconhecido apenas o velho palacete, onde tínhamos aulas, pois o resto da propriedade está toda construída com modernos edifícios.
Matei as saudades, (dos tempos bons e dos tempos menos bons), tirando uma fotografia à fachada do palacete, que aqui reproduzo.

Hoje ao olhar para a fotografia, lembrei-me, inevitavelmente, de tudo o que vivi naquele colégio naquele tempo, e reflecti, obviamente, em tudo o que ali me foi dado de conhecimentos, não só de estudo, mas também de valores, comportamentos e prática cristã.

Quando fui catequista, (há poucos anos atrás), perguntava-me se valia a pena, ou seja, se alguma coisa que eu dissesse ou fizesse, iria tocar, com a graça de Deus, aqueles jovens.

Ao relembrar essas minhas dúvidas, e perante aquele palacete, vieram à minha memória a “seca” dos terços rezados na última hora da manhã, (não me lembro se era todos os dias ou apenas ao Sábado), e toda a aprendizagem de catequese, “interminável” e aborrecida, que só valia, julgava eu, pelo momento em que acabava.

Ah, mas hoje percebo que muito ficou cá dentro, não só a graça dos terços rezados, mas também o conhecimento catequético, (que naquela altura entrava por um ouvido e saía pelo outro), mas que pelos vistos passou também e ficou no meu coração, como constatei e vou constatando ainda.

E de tal modo ficou, (com os ensinamentos e testemunho dos meus pais), que, tendo vivido cerca de 20 anos afastado de Deus e da Igreja, quando regressei à fé cristã, todas essas memórias vividas regressaram também e me ajudaram a viver a vida que hoje em dia vivo, uma vida com sentido, porque alicerçada e construída em Deus, tentando sempre fazer a Sua vontade.

Por isso, hoje, ao olhar esta fotografia, agradeço a Deus pelos Maristas, pelos Franciscanos e Dominicanos, (Externato da Luz e Clenardo, por onde passei também), bem como a todos aqueles e aquelas que me formaram ao longo da minha vida, onde se contam os meus irmãos e irmãs mais velhos e sobretudo os meus pais.

Realmente Deus concedeu-me graças imensas ao longo de toda a minha vida, muitas das quais só agora me vou dando conta.

Obrigado, meu Senhor e meu Deus!


Marinha Grande, 11 de Agosto de 2017
Joaquim Mexia Alves
.
.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

CRUZ RASGADA NA PEDRA

.
.









Esta fotografia, tirada a semana passada no Castelo da Sortelha, fez-me lembrar a perseverança e o testemunho da fé.

“Rasgada” na pedra, ali está a Cruz de Cristo ao longo de tantas centenas de anos a afirmar a cristandade, o ser cristão, o dar testemunho de Cristo.

O meu coração não é de pedra, e por isso tantas vezes a cruz nele inscrita pelo amor de Cristo, é esquecida por mim próprio, e sobretudo, “esquece-se” o meu coração  de dar testemunho desse mesmo amor.

Claro que não quero um coração de pedra, um coração que não sinta, nem se deixe mover pelo amor, mas quero sim um coração de carne, onde a Cruz de Cristo, prova constante do Seu eterno amor por mim, por nós, esteja “rasgada” de tal forma, que nunca eu a possa esquecer, e sobretudo que todos a possam ver como testemunho da fé e do amor que em mim o Senhor derramou, para mim, mas sobretudo para dar e me dar aos outros.


Marinha Grande, 7 de Agosto de 2017
Joaquim Mexia Alves
.
.