segunda-feira, 30 de novembro de 2009

ONDE ESTÁ, Ó MORTE, A TUA VITÓRIA?

.
.
Durante este ano fui por várias vezes confrontado com a morte de pessoas muito queridas e de algumas que conheci desde sempre.

Estes factos levaram-me a reflectir na minha própria morte, não como qualquer drama ou medo que hoje em dia não sinto, mas como análise da minha vida, do que fiz, do que faço e do que posso fazer ainda.

Isso levou-me também, (depois de ter participado em tantos funerais), a pensar o que desejaria eu que fosse o meu próprio funeral.

E cheguei á conclusão de que desejo muito pouco!

Aliás o meu único verdadeiro desejo é que seja uma festa, porque se o for, então é porque vivi a missão que o Senhor me deu, é porque vivi o mais possível segundo a Sua vontade.

Explico:

A minha família, os meus amigos e até os meus inimigos são convidados por este escrito, a acompanharem de perto a minha vida e exorto-os a que, sempre que me afastar do caminho de Deus, sempre que me deixar levar pelas minhas fraquezas, sempre que não perdoar prontamente as ofensas, sempre que não pedir perdão imediato pelas ofensas que cometo, sempre que discriminar alguém, sempre que fizer juízos de alguém, sempre que não amar alguém, pelo menos com o amor que Deus me dá, sempre que não tiver tempo para os mais velhos e compreensão e paciência para os mais novos, sempre que não corrigir o que sei estar errado em mim, sempre que tiver medo ou vergonha de testemunhar a fé na Santíssima Trindade, sempre que criticar a Igreja apenas para fazer coro com outros, enfim, sempre que não seja um verdadeiro filho de Deus, me avisarem, me corrigirem, me chamarem a atenção.

E se eu persistir no erro peço-vos que não desistam e que não me larguem até eu reconhecer o meu erro e consequentemente emendar a minha vida.

É que eu não quero que o meu funeral seja triste e dramático, e a verdade é que se eu me afastar do caminho que Deus sonhou para mim, sou eu que deliberadamente me afasto de Deus e me expulso a mim próprio do Paraíso que é o gozo eterno de Deus.

E então sim, tendes razão para chorar e vos lamentardes, porque aquele de quem vós gostáveis, se perdeu de Deus e se condenou irremediavelmente por sua própria vontade.

Mas se eu vos ouvir e passo a passo for procurando a vontade de Deus para a minha vida, se em todos os momentos for ramo da Videira nela permanecendo, se em cada dia e em cada hora for um verdadeiro testemunho do amor de Deus, se souber em cada momento sair de mim, para ser de Deus para os outros, então alegrai-vos e fazei a festa, uma grande festa, porque eu alcancei a maior e mais perfeita meta, que é a vida eterna na presença de Deus.

Nada em toda a vida que eu vivi, vivo ou ainda hei-de viver será comparável a esse momento em que me encontrarei com a felicidade perfeita e eterna.

Podereis alguma vez desejar coisa melhor para mim?

É que então o dia da minha morte, será o dia mais feliz da minha vida!

Então nesse dia peço-vos que abandoneis o preto, que as vossas vestes sejam cores e movimento, que os vossos cânticos sejam expressão de alegre louvor ao Nosso Deus, e que nas vossas caras esteja estampado o sorriso dos pais perante o recém-nascido.

É que se assim for, minha família, meus amigos, meus inimigos, eu alcancei a felicidade e quero apenas que a partilhem comigo na certeza de que junto de Deus, por Sua graça, não vos esqueço, e por vós esperando, intercedo continuamente, na comunhão de Todos os Santos, num canto de puro louvor ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.




E depois de escrever este texto, fiquei a pensar no início do Advento e no sentido que para mim faz, a morte ser um novo nascimento para um encontro total e definitivo com o Deus de amor que me criou, se na liberdade que me concedeu, eu souber viver segundo a Sua vontade.
Como tal, só pode ser um momento de real e inimaginável felicidade!
.
.

30 comentários:

malu disse...

Joaquim, meu amigo, não queria comentar nada agora, à pressa e como sempre andamos, mas para já ocorre-me a letra de uma música que diz mais ou menos assim:

a vida é -- mudo para:
"a VIDA é Luz, é Sol, é Côr e Movimento e eu numa palavra, sou apenas..."

rima com Advento, que é a espera que aqui vivemos até esse encontro real e para sempre com Nosso Senhor. É portanto e como dizes, a Festa eterna.

É-nos difícil conter as lágrimas pela saudade que sentimos dos que partem, mas é como dizes que teremos que ver esse momento.

Desculpa a pobreza das minhas palavras neste post tão "grande". Nem sei se faria melhor com o devido tempo...

Abraço em Cristo e Maria.

Maria disse...

Joaquim, eu fiquei sem palavras, sobretudo eu que tantas vezes penso na morte, acho que penso nela todos
os dias e assalta-me constantemente a dúvida de não estar bem preparada para aparecer diante do Senhor para o seu julgamento. Assusta-me muito, não sei explicar porquê. Por outro lado e parece um paradoxo, há dias que a minha vida parece não ter nenhum interesse, antes pelo contrário é um pesado fardo, e quase me apetece morrer, deixar este mundo de tanto sofrimento, às vezes ao pensar assim não consigo conter as lágrimas. Sabe como é, a pessoa agarra-se com força a uma tábua para não se afogar e a pouco e pouco as foças vão faltando e a tábua vai-se afastando de nós até já não conseguirmos segurá-la.
Um abraço
Maria

concha disse...

Olá Joaquim!
Já pensei e verbalizei junto dos meus filhos,deixar algo escrito para ser concretizado no meu funeral.Violas, cânticos e a presença das pessoas que estiveram mais próximas de mim.
Hoje com este teu excelente post, senti que só é importante o que eu levo daquilo que foi a minha vida aqui e o que eu deixo como testemunho aos outros.
Hoje num blog aonde fui li que "quando nascemos não se traz nada e quando morremos não levamos nada", mais à frente era acrescentado que "somos peregrinos livres para fazer o que é bom para nós e para os outros.Deus nestes momentos tão importantes da nossa vida, quer dizer-nos que valemos mais do que tudo".Achei também uma delícia, pensando em como por vezes estamos agarrados às coisas do Mundo.
Maria!Sei que o Joaquim te vai responder melhor do que eu,só te queria dizer que a única tábua que não nos deixa afogar é o acreditar e ter confiança em Deus.Procura empenhar-te em tudo o que fazes, estando sempre de "corpo inteiro"e fortalece-te com boas leituras,com boa música,com passeios pela Natureza e com oração e vais ver que muita coisa mudará na tua vida.Se precisares de ajuda, procura quem ta possa dar também.
Um abraço na Paz para o meu amigo Joaquim extensivo a todos

Maria disse...

Concha obrigada pelo teu apoio, podes crer que nestes tempos preciso muito, já cheguei à fase que nem rezar quase consigo, A oração que é bálsamo para a alma, para mim não me eleva nem me enleva. Porque será?
Beijinhos
Maria

DE MÂOS DADAS disse...

Amigo Joaquim ...
Eu que vinha cheia de vida para o convidar para nos ajudar a preparar o ADVENTO,vai daqui...fiquei triste pois não me apetecia falar nada da morte.
Mas já que insiste vou participar.

È quando vemos a morte dos outros que nos tornamos sensiveis á nossa própria morte.
Práticamente todos os dias eu vejo gente morrer e acompanho-os o melhor que sei e posso, não tenho medo da morte pois sei que a tenho como herança.
Por isso quanto mais a sinto mais vontade tenho de viver e viver em abundãncia...

Que tal ajudar-nos a preparar este ADVENTO se quizesse postar no sábado ou no domingo o dia do Senhorno... veja na Teresa ou no meu site.
Diga algo .
Grande abraço do coração em Cristo
Vejo que está triste mas
amanhã será outro dia
Utilia

Vamos á Vida

joaquim disse...

Malu, minha amiga

As tuas palavras estão cheias de sentido e interpretam o que quis dizer.

Verdadeiramente nós não nos deveriamos entristecer com a partida dos que nos são queridos e que deram testemunho de cristãos porque sabemos, porque acreditamos que estão bem melhor, mas nem sempre conseguimos.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Oh Maria, minha amiga, mas este texto devia ter o efeito de percebermos que a morte é coisa boa para aqueles que crêem no amor e na misericórdia de Deus.

Minha amiga a melhor tábua de salvação somos nós mesmos na medida em que somos livres de aceitarmos, de nos agarrarmos a Cristo e não O largarmos, porque de uma coisa temos nós a certeza, é que Ele nunca nos larga.

Sabes que essa dúvida de sabermos se estamos ou não preparados existe sempre em nós, mas a verdade é que quando fazemos, quando tentamos com todas as nossas forças fazer a vontade de Deus, é Ele próprio que acalma o nosso coração, os nossos medos, as nossas dúvidas e nos diz cheio de amor: Eu amo-te minha filha e estou sempre contigo.

Quando vivemos do amor e para o amor em Deus e para os outros, estamos sempre preparados.

Acredita e confia: Deus não falha, e a Sua misericórdia é infinitamente maior do que as nossas fraquezas.

Rezo por ti.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Minha amiga Concha, obrigado pelas tuas palavras e pelas palavras que aqui deixas vindas de outro lado.
E qual é esse espaço? Podemos saber?

O que levamos, como muito bem dizes, é a certeza de termos vivido em Deus para os outros, ou pelo menos a vontade constante que em nós viveu de fazermos a Sua vontade, que é a mesma coisa.


Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Maria, volto para te dizer aquilo que acho já uma vez te disse, ou talvez não.

Sempre que elevas o teu pensamento a Deus, estás a rezar, mesmo que seja para dizeres que não consegues rezar.

É que nesses momentos as orações poucas ou nenhumas, são agradáveis a Deus, porque saem de nós em momentos de secura, em que nos vencemos para podermos estar com Deus nem que seja fugazmente.

É que Ele está sempre connosco.

Rezo por ti e contigo.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Minha amiga Utilia

Começo a responder-lhe pelo fim para lhe dizer que não estou nada triste. Falar da morte para mim é uma coisa, ou deve ser, natural, o que não quer dizer que eu ande para aí a falar da morte todos os dias.

Como cristão vejo a morte hoje em dia como uma passagem, (Páscoa), que nos leva para um lugar infinitamente melhor.

É certo que nos custa separarmo-nos dos que nos são queridos e até de outros, mas porque não conseguimos ver esta mesma realidade como cristãos, ou seja, que pela morte o homem crente atinge a plenitude, como a semente que morre para dar lugar à planta.

A semente se ficar como semente de nada serve, mas se morrer enterrada na terra dá lugar a uma planta nova, que dá fruto, ou seja, podemos dizer que a semente atinge a sua plenitude.

Mas isso sabe-o muito bem a minha amiga!

O nosso problema com a morte é que Deus não nos criou para morrermos, e por isso não conseguimos entender a morte como ela é. Mas isso é “pano para mangas” que não cabe aqui e agora.

Sinto-me honrado com o convite que me faz, mas não me leve a mal vou decliná-lo porque a minha vida até ao Natal está tão preenchida que não quero assumir mais compromissos.
Mas prometo que irei ler e comentarei todos os textos que forem chegando.
Sei que percebe esta minha razão.

Rezo por si, para que Deus lhe dê forças sempre para ajudar as irmãs e irmãos que nessas horas tanto precisam de uma palavra de esperança.

Abraço amigo em Cristo

JúliaML disse...

Olá Joaquim, que bonita mensagem nos trouxe hoje!
Eu penso que Deus seria um pai muito cruel se nos tivesse criado para morrermos...Encaro a morte de forma natural, já me aconteceu pensar que ia morrer e lembro de ter tido pena, pelo que ainda não tinha vivido, mas medo não...

Cabe aqui uma historia:
Criei um menino como se fosse meu filho, que dizia muitas vezes " quando eu morrer, no meu funeral, quero canções alegres ". Quando Deus o levou, fiz com que esse desejo se cumprisse. Bem, não sairia mais daqui,contando,contando experiências. Perdão se me alonguei.

abraços

joaquim disse...

Minha amiga Júlia, aqui ninguém se alonga, quando abre o coração.

Obrigado pela sua história que me encheu de ternura.

Um dia ouvi um sacerdote numa das mais belas homilias de um funeral que já me foi dado escutar, dizer que apenas um homem nas ceu para morrer e que esse Homem foi/é Jesus Cristo, pois nasceu para dar a vida por nós.

Todos nós nascemos para a vida e é na vida que devemos acreditar.

Abraço amigo em Cristo

teresa disse...

ai amigo que texto mais tristinho ,, eu não penso nem quero pensar na minha morte ..
fez-me lembrar o meu tio que já comprou o jazigo onde vai ficar sepultado , e até o enfeita com flores lolll , e não tá lá ninguem ...
o meu unico desejo é que no meu funeral alguém olhe para mim deitada no caixão e diga ,, olha , olha , ela está a mexer-se eh eh eh.....
agora mais a sério entendi o que quis dizer e no fundo tem razão ..
apesar de nos custar a agir assim quando perdemos alguem , porque a dor da partida não deixa ...

beijinhos ..

ana disse...

Amigo Joaquim eu percebo o texto que escreveu, tambem já perdi pessoas que amava , mas sei que estão em Deus , porque não termina tudo ali num cemiterio...
Não pode , seria demasiado ,lójico , á algo mais para além da morte , o imferno é a terra em que vivemos , claro que é bom viver , mas é uma prova dos nossos limites, quando se encontramos com Deus ai sim é pleno.
Não posso dizer isto a toda a gente , chamavam me doida mas é o que penso, é a minha fé.
Um abraço

joaquim disse...

Oh Teresa minha amiga, é isso mesmo que eu quero "combater", ou seja, que a morte é coisa triste!

Eu sei que entendeste o que queria dizer, mas deixa que pegue na tua boa disposição e diga que precisamente por isso, é que o escrevi nos deve levar a não pensar na morte como coisa triste!

É que a morte aqui, desta vida de que sempre nos queixamos, é passagem para a verdadeira vida, aquela que não conhecemos, mas que a fé nos leva a creditar ser infinitamente melhor do que esta, porque é a vida que Deus Criador sempre preparou e sonhou para nós.

E lá seremos assim unidos no amor de tal modo que «De facto, num só Espírito, fomos todos baptizados para formar um só corpo, judeus e gregos, escravos ou livres, e todos bebemos de um só Espírito. 1 Cor 12,13»

E então aí sim sim, será a união perfeita, na felicidade perfeita na fruição do amor eterno que de Deus anima todos os Seus filhos.

E então já não haverá dor na partida mas apenas talvez uma saudade que é mitigada pela certeza de que aquela ou aquele a quem tanto amamos partiu para uma vida bem melhor.

Abraço amigo em cristo

joaquim disse...

Minha amiga Ana, estás muito certa.

realmente as pessoas de uma maneira geral não entendem este modo de viver a morte.

Acabei de escrever e fiquei-me nesta frase: Viver a morte!

É que a morte deve ser vivida, como algo que nos leva á vida, mas á vida para sempre!

deixa-me no entanto dizer-te, (e sei que me compreendes), que o inferno não é de modo nenhum a terra em que vivemos.

A terra em que vivemos só é inferno se deixarmos que o seja, porque como nos ensina Jesus Cristo o Reino de Deus já está entre nós e sempre presente, sobretudo na Eucaristia.

Devemos viver esta vida mais ou menos dificil sempre na esperança de que a vivemos em Cristo e como tal é sempre uma vida de passagem que devemos viver alicerçados na certeza de que já é vida eterna que se constrói.

Abraço amigo em Cristo

Nova Civilização disse...

Olá Joaquim,

quantos ensinamentos levo comigo ao ler o seu texto. Venho pensando muito sobre isso, a morte, pois a cada dia que passa vou entendendo cada vez mais. Não quero fingir que ela não existe. Quero refletir e aprender, pois toda vez que vou a descobrindo , entendo cada vez mais o sentido da vida!E que ela está totalmente ligada com a qualidade de vida que levamos.Exatamente do jeitinho que você escreveu:

"...e a verdade é que se eu me afastar do caminho que Deus sonhou para mim, sou eu que deliberadamente me afasto de Deus e me expulso a mim próprio do Paraíso que é o gozo eterno de Deus..."


muito obrigada por essa partilha,

abraços fratenos,

Gisele.

C.M. disse...

Joaquim, meu amigo, faço minhas as palavras da Maria: "eu que tantas vezes penso na morte, acho que penso nela todos os dias e assalta-me constantemente a dúvida de não estar bem preparada (o) para aparecer diante do Senhor"...

Creio que é isso que fundamentalmente me assusta... E nem de propósito este seu inspirado texto!... Não sei o que lhe possa dizer mais assim de repente... talvez e apenas que acabei a leitura do teu incrível texto com a cara colada ao ecrã
do computador... a sério... fui-me deixando cair cair...

joaquim disse...

Olá Gisele, e obrigado pela tua visita.

Pois é, muitas vezes "fugimos" de pensar na morte, quando pelo contrário deviamos reflectir sobre ela, porque é a maior certeza que temos nesta vida.
Mas mais importante que a certeza da morte, é a certeza que têm aqueles que acreditam, que pela graça de Deus têm o dom da fé e por isso possuem a certeza da vida eterna, que anula a morte e todas as suas consequências.

Obrigado pelas tuas palavras.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Caro amigo Cabral Mendes

Espero bem que tenha caído na esperança que vem de acreditarmos no Deus de amor que nos concede a vida eterna na Sua presença, razão pela qual, que paradoxo, nos devemos alegrar com a morte daqueles que O seguem e são fiéis ao Seu amor, amando os outros.

Quanto ao estar preparado, quem de nós está?
Mas de uma coisa podemos ter a certeza, é que se for nossa vontade, fazer a Sua vontade, se tudo fizermos para isso, mesmo falhando por vezes, a misericórdia de Deus é infinita e Ele nos acolherá no Seu seio de onde saímos um dia para esta peregrinação na terra.

Abraço amigo em Cristo

Canela disse...

Sabes meu bom amigo Joaquim;

depois de te ler... não li um só comentário.

entendo o que escreves, mas... o egoismo de todos os que cruzam o caminho contigo, fá-los-á chorar!

A saudade custa, ó Joaquim!!!!

Beijinho fraterno

C.M. disse...

"se for nossa vontade, fazer a Sua vontade, se tudo fizermos para isso, mesmo falhando por vezes, a misericórdia de Deus é infinita e Ele nos acolherá no Seu seio de onde saímos um dia para esta peregrinação na terra."

Balsâmicas palavras as suas, Amigo Joaquim! Penhoradamente agradecido pelas mesmas! Tê-las-ei sempre presente!

Um abraço "apertado" do Delfim Cabral Mendes.

joaquim disse...

Ó amiga Canela, obrigado!

Mas sabes que há um chorar bom, ou seja, há um chorar que não é de pena, de dor, mas desse sentimento tão próprio dos Portugueses e que é a saudade.

É, por exemplo, o chorar dos pais que vêem os filhos casar.
Não estão tristes, antes pelo contrário mas exprimem assim a sua emoção.

E é esse sentimento que eu acho devemos ter na morte de alguém que sabemos ter tentado viver a vontade de Deus.
É o misto da saudade da ausência, com a alegria da certeza de que vive agora uma vida melhor e mais completa.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Amigo Delfim Cabral Mendes

Obrigado eu, porque me leva a tentar cada vez mais exprimir mais e melhor o que o Senhor vai colocando no meu pobre e fraco coração.

Abraço amigo em Cristo

Dulce disse...

Amigo Joaquim já vim ler este texto algumas vezes e vou confessar-lhe uma coisa. É que este tema serviu de reflexão uns dias antes do Joaquim fazer a sua postagem, entre eu,as minhas irmãs e sobrinha e chegamos à mesma conclusão do que o meu amigo. A morte só é triste se a vermos como um fim, mas nós, vemo-la como um principio duma vida, essa sim verdadeira, junto de Pai.A vida não acaba com a morte, apenas se transforma.
Eu acho este texto lindo! Cheio de esperança! Aqui para nós eu até já preparei uma coisinha para lerem quando eu partir...sem choros mas sim com cânticos de louvor.
Abraço em Cristo e Maria.
Agora sou eu que peço desculpa por me alongar...

joaquim disse...

Amiga Dulce, não se alongou nada e muito obrigado pelas suas palavras.

Fico feliz por perceber que reflectem nestes temas em família e descobrem o seu sentido em união de amor.

Abraço amigo em Cristo

JAC disse...

Obrigado pelo belíssimo texto

É verdade: a morte é a dor mais lancinante para aqueles que cá continuam a peregrinar.

Mas uma coisas é certa: a coisa mais certa que temos ao nascer é morrer...

cumprimentos

joaquim disse...

Caro José António

Obrigado pela visita e pelas palavras.

Precisamente por a morte ser essa dor é que devemos mostrar que no fundo para o cristão a morte é uma benção, para que essa dor seja de alguma forma mitigada.

Abraço amigo em Cristo

concha disse...

Amigo Joaquim!
Muito atrasada, por isso peço-te que aceites as minhas desculpas.
Foi um destes blogs:
Toques de Deus
Ver Além do Olhar
Um abraço

joaquim disse...

Obrigado amiga Concha.

Irei dar uma vista de olhos!

Abraço amigo em Cristo