terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

O CAMINHO É DIFÍCIL...

Evangelho segundo S. Mateus 18,21-35.
Então, Pedro aproximou-se e perguntou-lhe: «Senhor, se o meu irmão me ofender, quantas vezes lhe deverei perdoar? Até sete vezes?»
Jesus respondeu: «Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
Por isso, o Reino do Céu é comparável a um rei que quis ajustar contas com os seus servos.
Logo ao princípio, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos.
Não tendo com que pagar, o senhor ordenou que fosse vendido com a mulher, os filhos e todos os seus bens, a fim de pagar a dívida.
O servo lançou-se, então, aos seus pés, dizendo: 'Concede-me um prazo e tudo te pagarei.’
Levado pela compaixão, o senhor daquele servo mandou-o em liberdade e perdoou-lhe a dívida.
Ao sair, o servo encontrou um dos seus companheiros que lhe devia cem denários.
Segurando-o, apertou-lhe o pescoço e sufocava-o, dizendo: 'Paga o que me deves!’
O seu companheiro caiu a seus pés, suplicando: 'Concede-me um prazo que eu te pagarei.’
Mas ele não concordou e mandou-o prender, até que pagasse tudo quanto lhe devia.
Ao verem o que tinha acontecido, os outros companheiros, contristados, foram contá-lo ao seu senhor.
O senhor mandou-o, então, chamar e disse-lhe: 'Servo mau, perdoei-te tudo o que me devias, porque assim mo suplicaste; não devias também ter piedade do teu companheiro, como eu tive de ti?’
E o senhor, indignado, entregou-o aos verdugos até que pagasse tudo o que devia. Assim procederá convosco meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar ao seu irmão do íntimo do coração.»


Muitos de nós, (mais uma vez, eu sempre incluído), ao ouvirmos, ao lermos, ao reflectirmos no Evangelho de hoje, somos levados, assim num primeiro momento, a não o aplicarmos às nossas vidas, porquanto temos a tendência para nele vermos apenas a parte material.
Eu não devo nada a ninguém, ninguém me deve nada e se me devessem ou eu devesse nunca procederia assim.
O problema é quando o aplicamos à nossa relação social, sentimental, emocional, com os outros e com Deus.
Com efeito, somos muito lestos em arrependermo-nos perante Deus, pedindo-Lhe perdão pela nossa maledicência, pelas nossas criticas e julgamentos aos outros, pedindo-Lhe perdão pelas ofensas que Lhe fazemos quando nos afastamos da Sua vontade, e voltamos as costas ao Seu amor.
E Ele perdoa-nos de imediato, perante o nosso arrependimento, perante a nossa contrição, perante a nossa admissão de culpa, de fraqueza.
Mas, perdoamos nós aos outros do mesmo modo?
Perdoamos nós aos outros os seus defeitos, as suas fraquezas, as suas culpas, já nem falando nas ofensas que nos são feitas.
É que normalmente somos tão rápidos a criticar e a julgar os outros, que isso significa que não utilizamos a mesma medida que o Senhor usa para com os nossos defeitos, fraquezas e culpas.
E se formos para o campo das ofensas, então aí, pior ainda!
Ou não perdoamos, ou fingimos que perdoamos, ou esperamos uma oportunidade para pagarmos o mal com o mal, ou seja, “mandamos prendê-los”, como o servo do Evangelho.
É tão difícil este caminho que o Senhor nos mostra, mas é o único em que a estrada é o amor/caridade e sendo o amor/caridade, é sempre vida, porque como nos diz São Paulo (1 Cor 13,8), no fim tudo passará e só ficará o amor/caridade, que é o próprio Deus, a vida eterna, e nós com Ele por Sua graça, como cumprimento da Promessa do caminho percorrido, segundo a Sua vontade.

6 comentários:

Ecclesiae Dei disse...

É muito difícil... ao ler,seu post lembrei-me de um amigo judeu, que uma vez comentou que para ele,seguir Jesus era impossível, pois as coisas que Ele pede são impossíveis, e citou esta, do perdão. Fiquei um longo tempo pensando nisso, e cheguei a conclusão que realmente, é muito difícil, e para nossa humanidade até impossível,fazermos o que Ele nos manda. Mas temos a ajuda do Espírito Santo, agindo em nós, a intercessão de Maria e dos Santos, e a presença de Jesus Eucarístico em nossa vida assim, a meta torna-se possível!!
Abraços em Cristo

Fa menor disse...

Amigo Joaquim,
de facto é muito difícil perdoar. E ainda mais esquecer.
Posso dizer que até perdoo sem muita dificuldade. Tenho até uma certa tendência para não aprender a defender-me de quem já alguma vez me fez algo que tive de perdoar. Porque amo, consigo abrir o coração e acolher...
mas,(maldito mas)quanto a esquecer... ui! quantas vezes as pequenas feridas abrem e explodem!

É bom reflectir nisto, meu amigo, para que consigamos ser cada vez mais prefeitos como é a vontade de Deus.

Bjinhos em Cristo

joaquim disse...

Sim caro amigo João só com a ajuda do Espírito Santo é possivel fazer este caminho, que se torna fácil á medida que se vai enchendo do amor de Deus.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Olá Fa amiga

Realmente não é fácil perdoar, mas depois de se encontrar a felicidade e a paz que vêm do perdão, torna-se bem mais fácil abrir o coração aos outros.

«Porque amo, consigo abrir o coração e acolher...»
Esta é a solução que tão bem escreveste...
Mas amiga Fa, não te preocupes com o esquecer, porque perdoar não é esquecer.
Nós temos uma memória que nos foi dada por Deus e não a podemos apagar!
A questão está em que a memória dos factos que nos magoaram, deixe de nos magoar e não seja mais que isso, uma memória.
O importante é que o nosso coração esteja aberto àqueles que nos magoaram no sentido de rezarmos por eles e se precisarem de nós, estarmos a abertos a ajudá-los.
Gosto muito de falar do perdão que foi uma das graças mais extraordinárias que Deus colocou na minha vida, por isso, se quiseres falar sobre isso estou disponivel por mail.

Abraço muito amigo em Cristo

Cátia disse...

Ola Joaquim,

Venho agradecer-lhe as palavras deixadas nO Amor de Deus para a Ana. Embora ache que não devo divulgar o mail por ser demasiado pessoal, sei que a Ana precisa de apoio e de toda a ajuda possível. Veremos se ela nos responde, se dá mais feedback...

Toda a ajuda é pouca, e estou certa que as nossas orações por esta irmã em cristo ajudarão a que tenha alguma paz de espírito.

Um bom dia e uma boa semana

joaquim disse...

Olá Cátia

Vamos rezando e colocando nas mãos de Deus.
Na Sua infinita misericórdia Ele não deixará de nos ouvir.

Abraço amigo em Cristo

Cátia, trata-me por tu, por favor.