segunda-feira, 26 de setembro de 2011

O SACRAMENTO DA PENITÊNCIA (2)

.
.
“O Retorno do filho pródigo”  de Rembrandt






2 – O Sacramento da Penitência

O texto/imagem bíblica que talvez melhor expresse em todas as suas vertentes este sacramento, e a sua importantíssima necessidade para cada cristão, é sem dúvida a Parábola do Filho Pródigo, que podemos ler no Evangelho de São Lucas 15,11-32

Aquele filho tinha tudo, nada lhe faltava, mas mesmo assim decidiu romper a sua relação com o pai e afastar-se dele.
Mesmo assim, o pai com nada lhe faltou, e viu-o partir.
O rompimento dessa relação de amor com o pai, levou-o a uma vida desregrada, a uma vida dissoluta, no fundo a uma vida de pecado.
Essa vida dissoluta, conduziu-o inevitavelmente aos vícios, que retiram a liberdade ao homem, e como tal são causa de intranquilidade, de provações, de desespero.
É isso que o pecado faz no homem, quando o homem nele se deixa cair e viver, aprisionando-o, retirando-lhe a alegria de viver, provocando-lhe ao longo do tempo, mais dor do que prazer.
Mas o filho reflecte, faz um “exame de consciência” e percebe que a vida que leva está errada, não tem sentido, e que só a relação com o pai lhe dá paz, lhe dá mais vida.
Arrependido parte à procura do pai para lhe pedir perdão pelos seus actos.
Mas o pai não fica extático á espera do pedido de perdão do filho. O pai vai também ao encontro do seu filho.
Podemos ver aqui, sem grande esforço a figura do sacerdote, que vai ao encontro daquele que se aproxima do Sacramento da Penitência.
O filho arrependido, já nada exige, a não ser fazer a vontade de seu pai, o que constitui sem dúvida a imagem do propósito de emenda.
Mas o perdão do pai é de tal modo, que lhe abre os braços e volta-o a tratar como o filho querido que sempre foi.
E ao recebê-lo novamente como filho, a liberdade daquele filho é restabelecida, porque a relação de amor verdadeiro é sempre assente na liberdade de cada um.
O perdão de Deus é tão infinito, que pelo Sacramento da Penitência, a reconciliação, a relação com Deus, é de imediato restabelecida em toda a sua dimensão de eterno amor.
Era assim necessário que aquele filho procurasse o pai arrependido, mas era também necessário que o pai viesse ao encontro do filho, para o perdoar e acolher.

A Igreja, sobretudo no Concílio de Trento, apresenta como fundamento principal da instituição do Sacramento da Penitência o texto bíblico do Evangelho de São João 20,22-23
«Em seguida, soprou sobre eles e disse-lhes: «Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ficarão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ficarão retidos.»

O texto é tão claro, tão preciso, que parece, (e é sem dúvida), uma resposta àqueles que afirmam que o Sacramento da Penitência não é necessário, pois se “confessam” directamente a Deus.

Deus quis instituir este sacramento assim, servindo-se dos homens, porque Ele mesmo, na pessoa de Jesus Cristo, se quis encontrar com os homens, num contacto directo, através dos sinais e linguagens da condição humana, quis viver como nós e passar pelas mesmas condições que nós, excepto o pecado.

Como nos diz o Arcebispo Bruno Forte, numa Carta Pastoral à Igreja de Chieti-Vasto para o Advento de 2005, sobre O Sacramento da Penitência:
«Como Ele saiu de si mesmo por nosso amor e veio “tocar-nos” com a sua carne, assim nós somos chamados a sair de nós mesmos por seu amor e ir com humildade e fé ter com quem pode dar-nos o perdão em seu nome mediante a palavra e o gesto.
Somente a absolvição dos pecados, que o sacerdote nos dá no Sacramento, pode comunicar-nos a certeza interior de sermos verdadeiramente perdoados e acolhidos pelo Pai que está nos Céus, porque Cristo confiou ao ministério da Igreja o poder de ligar e desligar, de excluir e de admitir na comunidade da aliança. (cf Mt 18,17)»

Com efeito, como podemos nós aferir se determinado comportamento é pecado ou não, se verdadeiramente na nossa consciência temos dúvidas?
A nossa consciência é “moldável” perante tantas circunstâncias, que neste caso concreto da nossa relação com Deus, (ou do rompimento dessa relação da nossa parte), só com algo, ou alguém para além de nós, podemos aferir se aquilo que nos incomoda é realmente pecado, e sobretudo e também, podermos ouvir e perceber espiritualmente e fisicamente o perdão de Deus.
É curioso percebermos que, em tantas coisas da nossa vivência da Fé, pedimos sinais visíveis, palpáveis, e no entanto, em algo tão importante e imprescindível para a vivência dessa Fé, que é a nossa relação com Deus que dá sentido a essa Fé, queremos prescindir dos sinais visíveis e palpáveis que o próprio Deus nos concede.

Só na celebração do Sacramento da Penitência perante o sacerdote que nos ouve e connosco fala, o mesmo sacerdote nos pode ajudar a percebermos a dimensão total do nosso pecado, a necessidade do nosso arrependimento e nos conduzir, não só ao perdão de Deus, mas à consciência do perdão a nós mesmos e aos outros.
Muito mais ainda isto é verdade, se nos lembrarmos que a Igreja nos ensina que o sacerdote no Sacramento da Penitência é pessoa de Cristo, ou seja, nos estamos a confessar verdadeiramente a Jesus Cristo.

É importante percebermos que não é o sacerdote que nos concede o perdão dos nossos pecados, mas sim, pela autoridade de Cristo em que está investido, é o próprio Deus que nos perdoa.

Aliás, a confissão dos pecados, no Sacramento da Penitência, não dá origem a um “julgamento”, nem o sacerdote é um “juiz” que vai aferir do “tamanho” dos nossos pecados, mas apenas nos vai colocar perante a realidade das nossas faltas e ajudar-nos a compreender como é necessário, para além do perdão de Deus que nos leva à reconciliação com Ele, o perdão a nós próprios, porque tantas vezes ao falharmos, nos julgamos com demasiada severidade, o que por sua vez, nos conduz a uma vergonha interior que nos retira a paz.

Leva-nos também a perceber a necessidade de pedirmos perdão a quem ofendemos, e a perdoarmos a quem nos ofendeu, para que em nós seja uma realidade o que rezamos no Pai Nosso: «Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos».
.
.

14 comentários:

Paulo disse...

É tão fácil pedir-mos perdão a Deus das nossas ofensas e tão dificil perdoar a quem nos tem ofendido...

joaquim disse...

É verdade Paulo!

Mas olha que mesmo pedir perdão a Deus no Sacramento da Penitência, frente ao sacerdote, parece não ser assim tão fácil para algumas pessoas.

Um abraço amigo em Cristo

Gosto muito do teu novo blogue.

http://osolharesmeus.blogspot.com/

concha disse...

Amigo Joaquim
O Sacramento da Penitência e a sua ligação à Parábola do Filho Pródigo,nunca tinha pensado e para mim foi ensinamento.Depois o que referes "....porque tantas vezes ao falharmos nos julgamos com demasiada severidade...".É verdade sim e como andamos num desassossego que se reflecte em tudo na nossa vida!
Continuo à espera do que se segue, grata como sempre.
Um abraço amigo na paz de Cristo.

DE MÃOS DADAS disse...

Joaquim
Obrigada pela sensibilidade que Deus te deu.
Isto por cá está complicado, mas Deus se nos dá as provas também não faltará com a força para as ultrapassar.
Perdoar não é fácil, e o mais dificil ás vezes é perdoar-se a si mesmo, mas com um pouco de humildade e a ajuda de Deus até mesmo isso se ultrapassAbraço em Cristo
Utilia Ferrão

Nova Civilização disse...

Amigo Joaquim,

Parabéns pela postagem. Como é importante esse sacramento em nossas vidas,


obrigada


abraços fraternos


Gisele

joaquim disse...

Amiga Gisele

Obrigado.

Um abraço amigo em Cristo

teresa disse...

amigo joaquim , vou aqui confessar uma coisa ,,, eu sou uma dessas pessoas que confessar diante do padre as minhas faltas realmente custa-me um bocadinho ,,, mas isto com a maturidade na fé , vai começar a melhorar ...

jinhos grandes ...

Ailime disse...

Amigo Joaquim,
Mais um precioso texto recheado de ensinamentos tão importantes pela sua relevância na nossa vivência em Igreja.
O filho arrependido, o Pai misericordioso que perdoa, a nossa humildade ao apresentar ao sacerdote as nossas imperfeições na certeza de que representa Jesus e nos ajudará a continuar o nosso caminho na bênção que nos concede em Seu nome.
A Confissão (Penitência, Reconciliação) um Sacramento
essencial para quem se quer renovar e converter ao Mestre, seguindo-O.
Muito obrigada por esta riquíssima partilha.
Abraço em Cristo.
Ailime

joaquim disse...

Amiga Concha

Obrigado pelas tuas palavras.

Com efeito nós por vezes julgamo-nos severamente, mas Deus sabe bem das nossas fraquezas, e perdoa-nos sempre.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Utilia

Obrigado eu, pela tua presença aqui.

Rezarei por ti, para que o senhor te dê forças para ultrapassares as dificuldades.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Ainda bem Teresa.

Vê sempre o sacerdote como Cristo que ali está e te ouve no Seu amor.

É Ele quem te perdoa.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Muito obrigado Ailime.

Permita-me apenas uma "especificação" que eu julgo ser isso que queria dizer.

O sacerdote não representa Cristo mas sim age "in persona Christi", ou seja, personifica Cristo.

Um abraço amigo em Cristo

Ailime disse...

Amigo Joaquim,
Muito obrigada pela enorme ajuda.
Sim, a expressão "in persona Christi" é o que eu pretendia dizer, embora deva reconhecer as minhas limitações.
Reconheço também que devo aprofundar tanta coisa...
Saio sempre do seu espaço com a minha alma mais cheia.
O meu bem-haja.
Desejo-lhe uma boa semana.
Abraço em Cristo.
Ailime

joaquim disse...

Amiga Ailime

Muito obrigado pelas suas palavras.

Um abraço amigo em Cristo