segunda-feira, 31 de Julho de 2006

CONTINUAÇÃO DA PARÁBOLA DO FARISEU E DO PUBLICANO





Quando o Fariseu terminou a sua oração, meteu a mão no bolso e com aparato tirou uma moeda de ouro que deixou cair com barulho, na caixa das esmolas.

Voltou-se para sair do templo e reparou que o Publicano de cabeça baixa mexia num saco de pano, de onde tirou uma pequena moeda, que com delicadeza depositou na caixa das esmolas.

O Fariseu saiu então do templo e ficou a aguardar o Publicano.

Quando este saiu, humilde e contrito, o Fariseu perguntou-lhe com um ar importante:
- Quanto deste, ali no templo?

O Publicano com a cabeça baixa, respondeu:
- Dei tudo quanto aqui tinha. Tudo o que tenho me veio do Senhor e Ele nunca me falta com o indispensável à minha vida.

Levantando a cabeça, fitou o Fariseu com uns olhos límpidos e calmos, com um sorriso alegre e tranquilo, e dizendo-lhe:
- A paz do Senhor esteja contigo! afastou-se, caminhando.

Reparou o Fariseu na paz e tranquilidade que emanava daquele homem, no amor com que lhe tinha falado e sobretudo na leveza do andar, parecendo que quase não tocava o chão.

No entanto não se deixou comover e pensando para si próprio, disse em voz alta:
- Coitado, pobre homem inculto. Não sabe que eu como sou, praticando a lei rigorosamente, tenho sempre a paz do Senhor comigo.

Começou então a andar no caminho para sua casa, cabeça erguida, nunca dando atenção àqueles que na rua pediam, que o cumprimentavam, que lhe sorriam.

Mas o episódio passado não o deixava sossegado. Que possuía aquele pobre homem, (que ele considerava tão mal), que ele próprio não tinha!

Nunca na sua vida, pensou, tinha conseguido ter tal olhar, tal sorriso ou apresentar aquela paz, aquela tranquilidade, aquele amor.

Parou e sentou-se à beira do caminho com a cabeça entre as mãos, pensando em tudo o que tinha visto e sentido.
De repente, tocaram-lhe no ombro e ao levantar os olhos, deparou com o Publicano que com uma voz doce lhe perguntava:
- Sente-se mal, precisa de ajuda, posso fazer alguma coisa por si?

Mal refeito da surpresa, (e por tanto amor vindo de quem tinha tratado tão mal), deu por si a agradecer e a dizer que não, não precisava de nada, pois entretanto, tinha tido resposta à sua inquietação.

Levantou-se e começou a caminhar em direcção ao templo.

A um pobre homem quase sem roupa, deixou a sua túnica, a outro que tinha fome, deixou as moedas que levava, a um que estava descalço, deixou as suas sandálias, a uma mãe com filhos famintos, como não tinha mais nada com ele, deixou os seus anéis e colares.

Á porta do templo, parou e não entrou. Ajoelhou-se, baixou a cabeça e disse:
- Perdoa-me, meu Deus, que nada sou. Não sou nem digno de entrar no Teu templo, como o Publicano, porque sou muito maior pecador. Acredito na Tua misericórdia e sei que me perdoas, por isso Te peço que me ajudes a mudar de vida, pois também eu reconheço agora, que tudo o que tenho, me vem de Ti e a Ti pertence e que mo deste não só para mim, mas também para ajudar os que precisam. A Ti, Senhor, confio a minha vida, pois sei que com nada me faltarás.

Levantou-se e sentiu imediatamente que o seu olhar era diferente, mais limpo, percebeu que tinha um sorriso alegre na cara e deixou-se envolver por uma paz e tranquilidade, que nunca tinha sentido.

Louvando a Deus, regressou a casa, espalhando alegria e paz pelo caminho e ao chegar, deu a Boa Nova a todos os seus.

No Céu a alegria era imensa e o Bom Pai, nosso Deus, acompanhado do sorriso alegre do Espírito Santo, disse a Jesus Salvador:- Foi boa idéia, Meu Filho, teres-te feito passar por Publicano. Já salvaste mais um homem.

Escrito em 7 de Março de 2000

1 comentário:

A Capela disse...

:( Acho que na semana passda encontrei 'O Publicano', e tudo se deve as estas tuas histórias....

Estava calor, eu ia apressada. Passei de uma lado para o outro do passeio, mas ainda havia mais um a passar, só que o sinal pôs-se encarnado e então esperei. Foi quando reparei num homem deitado ao sol, de lado e eu n sabia se estava só a dormir. O sinal verde entretanto abriu-se e ainda avancei dois passos, pronto, o Joaquim e 'O Que é A Verdade', mexeram comigo. Volto atrás e olho o homem, sem saber muito bem o que fazer. Reparei que tinha na mão um papel e um cartão que o identificava. Não li mas entendi que então isso podia ser sinal de s.o.s, aproximei-me e perguntei se queria ajuda. Estas coisas são assim: se tivesse passado, o homem certamente ali estaria. Uma pessoa pára logo outras se chegam, mas, desta vez só uma, e não uma pessoa qualquer. Uma mulher que me perguntou o que se passava e que prestando atenção, fez tudo o resto. Falou com ele, se queria uma ambulancia. Ele virou-se para mim e disse: Eu só bebi, bebi muito e isto passa.

Não achei bem que ficasse ali ao sol e voltei-me para a senhora. Não era de facto uma 'curiosa'. O caso não era tão grave e ele para o hospital não queria ir, mas, não é que quis ir buscar café e alguma coisa para comer? Lá foi prometendo que não ia demorar nada..

Fê-lo com a maior naturalidade, como se isto fizesse parte do seu dia-a-dia, será?

Malu