quinta-feira, 15 de novembro de 2007

TESTEMUNHO 3

O tempo foi passando e a minha procura de viver o que já guardava no coração, ia-se tornando cada vez mais o “Pão Nosso de cada dia”.
Em tudo O procurava, em tudo O queria ver.
Empenhava-me não só no Grupo de Oração, na oração e meditação da Palavra diárias, mas também na paróquia, onde me colocava à disposição para o que de mim precisassem, sobretudo a voz que Deus me deu, cantando no coro.
Tentava especialmente dar testemunho da alegria, da vida que eu vivia, com o cuidado no meu proceder, no meu falar, em todos os campos da minha vida, no trabalho como no lazer.
Ele tinha que fazer parte de tudo, para em tudo tocar e abençoar, segundo a Sua vontade.
Claro que nem sempre assim acontecia, mas então tinha a certeza do Seu perdão, tinha a certeza de que Ele sempre estava à minha espera de braços abertos para me acolher.
Pedia ao Espírito Santo que continuamente guiasse a minha vida e me moldasse segundo a Sua vontade.
Falo no passado, mas que continua a ser presente!
No Renovamento Carismático Católico temos uma caminhada espiritual a que chamamos “Seminários de Vida Nova no Espírito” e que nos conduzem ao “Baptismo no Espírito Santo” ou “Efusão do Espírito Santo”.
Não vou aqui explicar exaustivamente o que é, mas quem quiser conhecer melhor pode aceder ao site da
PNEUMA e procurar,(em “Reflexões”, depois “Meditações”, depois “Pentecostes hoje – a Efusão do Espírito Santo”), o que significa e é concretamente.
Deixo no entanto as palavras e um extracto de entrevista à Zenit do Fr. Raniero Cantalamessa, Franciscano Capuchinho, que é desde 1980 o Pregador da Casa Pontifícia.

A efusão do Espírito Santo, actualização da iniciação cristã
A efusão do Espírito Santo (ou baptismo do Espírito) é uma renovação e uma actualização de toda a iniciação cristã, e não só do Baptismo. O interessado prepara-se para isso, não somente através de uma boa confissão, mas participando em encontros de catequese, nos quais é conduzido a um contacto vivo e alegre com as principais verdades e realidades da fé: o amor de Deus, o pecado, a salvação, a transformação em Cristo, a vida nova no Espírito Santo, os carismas, os frutos do Espírito Santo. E tudo num clima caracterizado por uma profunda comunhão fraterna.
Por vezes, e diferentemente, tudo acontece espontaneamente, fora de qualquer esquema, e é-se como que surpreendido pelo Espírito. (...)
É através do que precisamente se chama baptismo do Espírito que se faz a experiência do Espírito: da Sua unção na oração, do Seu poder no ministério apostólico, da Sua consolação na prova, da Sua luz nas opções. Mais do que na manifestação dos carismas, é assim que se faz a percepção do Espírito: como Espírito que transforma interiormente, que dá o gosto do louvor a Deus, que faz descobrir uma alegria nova, que abre a mente à compreensão das Escrituras, e que, sobretudo, nos ensina a proclamar Jesus como Senhor. E ainda nos dá a coragem para assumir novas e difíceis tarefas, ao serviço de Deus e do próximo.
Fr. Raniero Cantalamessa
in: "Documento de Malines I" (Posfácio à trad.portuguesa), ed. Pneuma

Entrevista à Zenit
–Como o senhor se aproximou do Renovamento?
–Pe. Cantalamessa: Não me aproximei, Alguém me tomou e me levou para dentro. Quando orava com os Salmos, pareciam escritos para mim desde antes. Logo, quando desde Convent Station, em Nova Jersey, fui ao convento dos capuchinhos de Washington, sentia-me atraído pela Igreja como por um ímã, e este era um descobrimento da oração, e era uma oração trinitária. O Padre parecia impaciente por falar-me de Jesus e Jesus queria revelar-me o Pai. Acho que o Senhor me fez aceitar, depois de muita resistência, a efusão, o batismo no Espírito, e logo vieram muitas outras coisas com o tempo. Eu leccionava História das Origens Cristãs na Universidade Católica de Milão; logo comecei a pregar até 1980, quando me converti em pregador da Casa Pontifícia.

Tudo isto para dizer que em Março de 1999, num retiro no Seminário na Torre d’Aguilha, organizado pela Pneumavita, recebi a Efusão do Espírito Santo, que confirmou e continuou a transformação que em mim o Senhor ia operando.
Mais uma vez me sirvo do que então escrevi sobre esse extraordinário momento para mim!
Quando fazia a viagem de regresso a casa, vindo do Seminário, ia aparecendo no meu coração, na minha mente todas as palavras que, mal chegando a casa, passei para o papel e aqui vos deixo.

O Dia da Minha Efusão do Espírito Santo

Estavam os Três reunidos num Só, como desde sempre, quando Deus Pai disse:
- É hora, ide!
Então, Jesus Cristo e o Espírito Santo, desceram da casa do Pai e entraram em mim.
Olharam, tornaram a olhar, franziram o sobrolho e disseram:
- Esta habitação está a precisar de, muitas obras, de melhoramentos, de uma boa remodelação, enfim, praticamente uma casa nova.
Jesus olhou para o Espírito Santo e disse:
- Abre essas janelas, esta casa está fechada há muito tempo, está bolorenta, fria e sem luz nem vida. Sopra o Teu vento para afastar todos estes maus cheiros, todas estas teias de aranhas e perfumar toda a casa com odores de nova Primavera, deixando entrar a Luz.
O Espírito Santo assim fez, e depois da casa arejada e iluminada reparou nas paredes e disse para Jesus:
- Olha para estas paredes, cheias de cores pesadas e desenhos feios e monstruosos! Podias pegar no pincel, na tinta mais branca e dar uma pintura geral, para que a casa brilhe com a Luz, vestida de branco.
Jesus assim fez e quando acabou as pinturas, a casa brilhava, cheirava bem, tinha novos ares, mas ainda com cortinados e mobílias velhas.
Então o Espírito Santo, disse novamente a Jesus:
- Porque não chamas a Tua Mãe para nos ajudar? Ele deve ter jeito para essas coisas!
Assim, Jesus chamou a Virgem Maria, que deixou os seus muitos afazeres e disse-Lhe:
- Mãe, vê o que podes fazer para mudar estes cortinados e esta mobília, porque o mais importante, já Nós fizemos.
Maria, nossa Mãe, deitou mãos à obra com o seu amor maternal e em pouco tempo toda a casa estava habitável, com calor, com luz, esperando a vinda do Pai para a inspecção final.
Veio então o Pai.
Entrou na casa, visitou-a demoradamente, conferiu que o branco era o mais branco que havia, conferiu que a luz era a mais brilhante, confirmou que a mobília e os cortinados eram novos e de material para durar, e disse:
- Sempre gostei muito desta casa, mas assim está muito melhor.
Quereis habitar nela? Perguntou.
Jesus e o Espírito Santo trocaram um sorriso cúmplice e disseram a uma só voz:
- Também gostamos muito mais assim. É uma boa casa para morar, mas antes temos de falar com o senhorio.
Olharam então para mim, com aqueles olhos de infinito amor e perguntaram-me:
- Estás disposto a manter esta casa sempre limpa, arejada, iluminada e com o branco imaculado?
Estás disposto a enchê-la de paz, amor. Tranquilidade e muita alegria?
Estás disposto a não deixar entrar nela ladrões, mentirosos, ou ideias que a corrompam?
Estás disposto, isso sim, a ter sempre a porta aberta aos que necessitam de comer, beber, descansar ou de alguma forma precisem de ti?
Estás disposto a não te servires dela para outros fins, que não sejam a nossa habitação?
Estás disposto a que, quando por qualquer motivo, sujares ou estragares alguma coisa, Nos pedires perdão e de imediato reparares o mal que fizeste?
Estás disposto, disse Jesus, a teres sempre um quarto pronto para Minha Mãe, quando Eu A convidar a Nos visitar?
Estás disposto, enfim, a receber nela os Nossos amigos e aqueles que Nós escolhermos para tu convidares?
E eu, humildemente, alegremente, dançando e louvando, respondi cantando:
- Pois se Tu és o meu Senhor Jesus, que deu a vida por mim, pois se Tu és o meu Senhor Espírito Santo, que me consolas e guias, pois se Tu és o meu Pai Criador, que muito me ama e me criou, como posso eu dizer não?
Digo sim, setenta vezes sete vezes, Sim!
Mas também tenho de Vos pedir, meu Deus, que me ajudeis sempre, que estejais sempre nesta casa, e que meu Pai e meu Deus, quando eu falhar e não Vos pedir perdão por estar distraído, me perdoeis e ajudeis na mesma!
Então o Pai, unido a Jesus Cristo e ao Espírito Santo, num só Deus, com lágrimas de alegria nos olhos, mandou dar inicio à festa do regresso deste Seu filho, tomou conta da habitação e cantando, dançou, para que a alegria fosse completa.
E eu, pequenino e humilde, só louvava, dizendo:
- Glória, glória ao Senhor Nosso Deus, que perdoou, aceitou e fez nascer de novo este Seu servo!

Festa da Ascensão
Monte Real, 16 de Março de 1999

(continua)

12 comentários:

Maria João disse...

Agora não posso ler, mas volto.

muitos beijinhos em Cristo e um óptimo dia na Sua companhia

joaquim disse...

Maria João, obrigado pela visita.

Cá te espero na volta!

Abraço amigo em Cristo

Maria João disse...

Sem palavras, Joaquim....

Lia e n conseguia esconder o sorriso nos meus lábios e nos meus olhos...

Louvado seja o Pai, o Filho, o Espírito Santo. E, claro, a nossa Mãe e todos os anjos e santos que ajudam Deus Pai.

beijos em Cristo

PS: Aquilo é dia 28 deste mês, às 17h. ;) Obrigado.

Fa menor disse...

Meu querido amigo,
mais uma vez me fascinou a tua partilha.
Esse momento que viveste da “Efusão do Espírito Santo” deve ter sido maravilhoso... sei que é algo que transforma radicalmente a pessoa... tenho (e também já não tenho)na minha família pessoas que também a receberam e sei como foram marcadas, e acredito que foi a vivência do Renovamento Carismático que terá ajudado muito as duas pessoas queridas que já não tenho, a suportar as doenças incuráveis pelas quais passaram.

Abrajinho amigo em Cristo

Fa-

malu disse...

Tem sido um gosto ler-te e é difícil dizer mais que isto :)

Origada e também pelas tuas orientações anteriores sobre O Renovamento Carismático.

Abrajinho em Cristo

Roger disse...

Oi Joaquim,
legal o seu Blog.
Temos um Blog coletivo.
Quem sabe vc visita nossa casa!
Vai aí dois textos meus: acho que o problema hoje é que muitos já tiveram suas decepções com líderes evangélicos . Eu, por exemplo, senti na pele quando enfrentei dificuldades com Vistos, grana e missões.
Abraços,
Roger

joaquim disse...

Obrigado Maria João pelas tuas palavras e pelo sorriso.

Se aquilo é a partida do nosso amigo, que Deus o acompanhe e o faça regressar em paz junto dos seus.

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Oh Fa, obrigado pela tua amizade.

Sim é verdade, a Efusão do Espírito Santo, seja em que ciscunstâncias for muda as vidas, faz vidas novas.
E um desses dons é a aceitação das provações e a paz em que se vivem

Abraço amigo para ti Fa, em Cristo

joaquim disse...

Olá Malu

Sem dizer muito às vezes diz-se tudo...

O RCC é um caminho que Deus colocou na minha vida, que abraçei, enquanto comunhão em Igreja.
Muitos têm encontrado nesta espiritualidade a graça da Vida Nova, bem como em outros Movimentos e Obras.
Glória ao Senhor por tudo isso.

Abreijos em Cristo

joaquim disse...

Olá Roger

Obrigado pela visita!

Brevemente irei visitar os espaços que me indicas.

Abraço em Cristo

Cabral-Mendes disse...

Mas que belas imagens, Joaquim!

Penso muito no oferecimento que devemos fazer a Jesus e Sua Mãe para habitarem na nosssa casa... é preciso abrir-lhes a porta, não é verdade?

joaquim disse...

Sem dúvida, Cabral-Mendes...

Só com a porta aberta e convidados. Eles entram, porque prezam muito a nossa liberdade.

Abraço amigo em Cristo