sábado, 21 de abril de 2007

THINKING BLOGGER AWARD


Foi-me concedido este “prémio”, ou melhor, foi-nos concedido este “prémio”, (neste “foi-nos concedido”, envolvo todas/os os que aqui vêm, comentando ou não, pois são também construtores deste blogue), que nos foi dado pela bondade e amizade da Malu, d’ A Capela.
Tudo o que aqui escrevo, não é meu, mas de Alguém infinitamente maior do que eu que me inspira, e eu apenas sou pobre, muito pobre, pois não consigo transmitir tudo o que Ele faz na minha vida e diz ao meu coração.
Só tem sentido se serve aos outros, se é testemunho de Vida Nova, porque para encher o meu ego, infelizmente já tenho orgulho e vaidade que cheguem em mim.
E agora, como distinguir como me pede a Malu, 5 companheiras/os de caminho?
Fugindo, reconheço, ao que me é pedido e porque são tantos aqueles que percorro no dia a dia e me fazem pensar, meditar e até mudar, alguns muito próximos, outros mais longe, alguns muito de acordo com o que penso e vivo, outros nem tanto, mas porque todos, todos sem excepção me ajudam a construir a minha vivência diária da Fé no Pai, no Filho e no Espírito Santo, e a comungar em Igreja, com todos os que estão na Igreja ou fora dela, decidi nomear apenas um, que no fundo representa para mim todos os outros.
.
.
E representa todos os outros, porque ali se encontra a exortação constante à imitação de Cristo, porque acolhe os pecadores, e não o pecado, acolhe os que estão “fora”, une os que estão “dentro”, exerce-se a liberdade de pensamento, mas vivesse a liberdade da obediência no amor, une-se no amor, comunga-se em Igreja.
Por isso mesmo digo que representa todos os outros, pois ali encontro um pouco de cada um. Tem sido uma fonte de meditação, de “incómodo”, de procura, de revisão de vida, de chamamento a um maior aprofundamento da Fé, da Doutrina, da vivência diária no mundo, testemunhando a Vida Nova em Cristo Ressuscitado.
Encontro o que penso, e o que me faz pensar, encontro o que vivo, e o que devia viver, encontro o que conheço, e o que preciso conhecer melhor.
O Thiago, seu autor, exerce a liberdade de pensamento, de vivência da Fé de uma maneira que me tem tocado, pois não deixando de apresentar aquilo que pensa e em que muitas vezes é critico da vivência da Fé “acomodada “, não deixa de afirmar o seu amor, a sua entrega à Fé, à Doutrina, à Igreja.
Nos seus escritos é revelada uma grande vontade de união, enquanto comunhão, mas sempre tendo em vista Aquele que nos criou e primeiro amou, e a Igreja que fundou entre nós e para nós.
A sua linguagem é acessível e não uma demonstração estéril de conhecimentos, de “palavras difíceis”, que por vezes apenas reflectem uma vontade de mostrar aos outros uma intelectualidade, que não toca, nem provoca vida.
Concordo sempre com ele? Não, nem sempre, mas mesmo naquilo em que não concordo, encontro sempre uma provocação à minha vida, à minha vivência, para saber mais, sobretudo para viver mais e melhor, o que quer dizer viver mais para os outros e com os outros, em Jesus Cristo.
Há muito que queria escrever sobre o Aliquando e foi-me dada agora essa oportunidade, que agradeço à Malu, flor de Pai, como lhe chamou o Andarilho no seu comentário.
Não sei se o Thiago, que não conheço pessoalmente vai ficar zangado comigo, mas o meu pai, (que se fosse vivo teria 108 anos), ensinou-me sempre que, para ele, uma das maiores virtudes, ou atitudes, era a gratidão, e eu estou grato ao Thiago por tudo o que me tem feito pensar e viver.
-
Este “prémio” foi concedido A Capela, pelo Vou Ali e Já Venho, (já vinha de outros), e trazia com ele o pedido de indicação por cada contemplado, de outros 5 nomeados.
Peço desculpa mais uma vez, porque não o fiz, e deixo essa incumbência ao Aliquando, bem como a de colocar a imagem do "prémio" no seu blogue, se ele assim quiser aceitar.

2 comentários:

joaquim disse...

Tive de repor este post visto que um anónimo decidiu, mais uma vez, expressar a sua boçalidade, num comentário.
Assim tive novamente de introduzir a moderação dos comentários, afirmando no entanto que apenas não serão editados aqueles que sejam atentórios da dignidade seja de quem for, ou do que for, sobretudo os anónimos.
Se alguém neste entretanto colocou algum comentário e o mesmo não aparece, peço o favor de o repetir, pois será editado.
Abraço em Cristo

malu disse...

Olha, mas graças ao anonimo/a sou a primeira a dar parabens. (Sou? de caixa fechada não se sabe.) Parabens Joaquim!

Nomeaste pouco... mas bem.

Abraços!