segunda-feira, 30 de abril de 2007

ENSINAMENTO DE VIDA

Tive um fim de semana muito ocupado, mas sobretudo vivido muito intensamente.
No Sábado estive num almoço convívio com ex-combatentes da Guiné, (onde estive de 1971 a 1973), e hoje, Domingo, participei na Sé de Leiria, na celebração da Eucaristia de Ordenação de um Presbítero, o Marco, e um Diácono, o Marcelo, que pertence desde a primeira hora à nossa Comunidade Luz e Vida.
Perguntarão o que tem uma coisa a ver com a outra, e também eu perguntei isso mesmo ao meu Deus e Senhor, que sempre nos dá algum ensinamento sobre o que vai acontecendo no dia a dia das nossas vidas.
No almoço convívio, (de muitos ex-combatentes que se reúnem num blogue, Luís Graça & Camaradas da Guiné ), estavam por isso mesmo, muitos camaradas de armas, (como nos costumamos chamar), de diversas idades, proveniências e unidades militares, dos quais muitos não se conheciam ainda pessoalmente.
No entanto, o sentir, a identificação de algo comum, a unidade de uma experiência colectiva, a comunhão de todos estes sentimentos e vivências, fazia com que nos sentíssemos todos iguais, todos irmanados, todos acolhedores, todos no fundo como um só, embora tão diferentes nas nossas vidas, desde a idade, à politica e com certeza à religião.
Na Eucaristia da Ordenação do Marco e do Marcelo, estávamos também pessoas de diversas idades, diversas experiências de vida, locais diferentes, diferentes “sentires”, diferentes modos de viver a Fé, mas no entanto, todos unidos, acolhedores, sorrindo uns para os outros, querendo dar as mãos, e na diversidade, comungando a e na unidade com o Senhor Nosso Deus.
E então o que é que em eventos tão diferentes, se pode encontrar como ensinamento para a vida?
E a resposta é a própria vida, a vida que se dá, que se entrega, a vida que se recebe, a vida que se predispõe para os outros e dos outros para nós.
Com efeito, na guerra, colocamos a nossa vida nas mãos dos outros, dos que estão ao nosso lado, que nos acompanham e que às vezes apenas conhecemos ali, enquanto os outros nos entregam as suas vidas, confiando em que as vamos proteger com as nossas próprias vidas.
Só com essa entrega mútua de confiança, é possível sobreviver na guerra.
Essa vivência faz-nos identificar com todos os que estiveram na guerra, no nosso tempo, no nosso sitio, ou tempos e sítios totalmente diferentes.
Quando nos encontramos, conhecendo-nos ou não, apesar de todas as diferenças que possam existir entre cada um, abraçamo-nos, acolhemo-nos e comungamos de um mesmo sentimento: a vida que continuamos a ter.
Na vivência da Fé, na e em Igreja, a vida só tem sentido se for uma oferta permanente a Deus, e por Deus aos outros.
Só posso viver e crescer em comunhão com os outros e para os outros, senão arrisco-me a perecer na primeira dificuldade, a cair na primeira tentação.
A minha salvação só tem sentido na salvação dos outros e os outros contam com a minha entrega em oração por eles, como eu conto com a sua entrega em oração por mim.
Pode mesmo chegar-se um dia ao extremo de termos, por amor, de dar a vida pelos outros, entregando-nos confiantemente nas mãos do Criador, como ainda hoje tantos fazem, em nome de Deus, pelos seus irmãos.
E não interessa onde estamos, onde nos encontramos, no nosso país ou outro qualquer, porque nos identificamos e reconhecemos nessa entrega de amor a Deus e aos outros.
Na guerra os outros confiam que eu os protegerei e contam com as minhas capacidades, como eu conto com as deles, para chegarmos sãos e vivos ao nosso ponto de partida.
Na Igreja, os outros contam com as minhas orações, com o meu testemunho de vida, como eu conto com o deles, para crescermos juntos na Fé e alcançarmos a Salvação, que nos foi dada por Jesus Cristo Nosso Senhor.
A entrega da nossa vida, pelos outros e dos outros por nós, leva-nos a este encontro de comunhão de sermos um só com o mesmo objectivo.
A diferença está em que, na guerra a finalidade é preservarmos a nossa vida, muitas vezes aniquilando a vida do outro.
Na vivência da Fé, em Igreja, a finalidade é a salvação do outro com a entrega da nossa vida, alcançando também a nossa salvação.
.
Aviso: O blogue a que faço referência é constituido pelas memórias daqueles que combateram numa guerra e com vivências de vidas muito diferentes entre si, pelo que pode ter alguns textos "chocantes" para quem não viveu estas experiências, por vezes muito traumatizantes.
Eu próprio vivia nesse tempo totalmente afastado de Deus, sem qualquer vivência da Fé que hoje anima a minha vida.

16 comentários:

antonio disse...

Deus criou-nos com toda essa diversidade... a Sua igreja acolhe-nos a todos.

Este teu texto recorda-nos isso e como devemos em toda essa diversidade colher. Experiências, vivências e testemunhos de amor.

malu disse...

Não pode estar nem mais certa, nem mais bonita, esta tua reflexão, Joaquim.

Abrenção.

joaquim disse...

Caro António

Bem vindo.

Obrigado pelas tuas palavras.

A unidade, a comunhão na diversidade.

Abraço em Cristo

joaquim disse...

Amiga Malu

Retirada de uma experiência de vida, dá mais vida à vida.

AbraçemCristo

sedente disse...

Tudo por Jesus, nada sem Maria.
Bom mês de Maio.
abrç+

Pe. Vítor Magalhães disse...

"Eu estou sempre convosco, todos os dias, até ao fim dos tempos" (Mt. 28, 20b)

joaquim disse...

Caro Sedente

Bem vindo.

Neste mês de Maio e sempre, por Maria, a Jesus.

Abraço em Cristo

joaquim disse...

Caro amigo Pe. Vitor

Obrigado.

Que seria de nós se essa não fosse uma verdade imutável.

Abraço em Cristo

Ver para crer disse...

Experiências tão diferentes mas que marcam a vida.
Um abraço e obrigado pela visita ao meu espaço.

joaquim disse...

Carissimo Padre "ver para crer"

É verdade e delas tirar lições para a vida.

Obrigado.

Abraço em Cristo

Danilo disse...

Obrigado por visitar o meu blog e pelas palavras de incentivo!

Adicionei seu blog no Família de Nazaré.

joaquim disse...

Caro Danilo

Obrigado pela visita.

Abraço em Cristo

Maria João disse...

Mesmo na guerra se pode ver Deus.

Só mesmo Ele para nos dar uma luz no meio de tanta escuridão.

joaquim disse...

Olás Maria João

Só Deus pode "tirar" do mal, o bem.

Obrigado pela visita.

Abraço amigo em Cristo

Cabral-Mendes disse...

Impressionado com o seu texto sobre a festa na Igreja de Leiria, e sobre a sua vivência na Guiné (portuguesa).

Abraço em Cristo!
Hei-de escrever com mais vagar...os seus textos merecem...

joaquim disse...

Caro Cabral-Mendes

Obrigado pela visita e pelas palavras que aqui deixa.
São um incentivo.

Abraço em Cristo