quinta-feira, 27 de novembro de 2014

CHAMASTE-ME, SENHOR?

.





Chamaste-me, Senhor?

Pareceu-me ouvir a tua voz
vinda de dentro de mim,
da mente, do coração,
do centro do amor e da paz,
da minha vida,
do meu eu,
onde Tu estás.

Chamaste-me, Senhor?

É que ouvi um sussurro,
num fugidio momento,
um canto, uma melodia,
um suspiro,
parecia levado p’lo vento,
tão repleto de alegria,
que respondo ao chamamento.

Chamaste-me, Senhor?

É que senti no coração
um amor tão grande e puro,
que logo me apercebi,
sendo eu assim tão impuro,
que esse amor feito oração,
só podia vir de Ti.

Chamaste-me, Senhor?

Aqui estou ajoelhado,
esperando que me levantes,
assim por Ti abraçado,
cheio da tua bondade,
abrindo-me todo a Ti,
para fazer a tua vontade.

Chamaste-me, Senhor?

Aqui estou!
Enche-me do teu amor,
e envia-me,
porque por Ti, Senhor,
eu vou!



Marinha Grande, 27 de Novembro de 2014

Joaquim Mexia Alves
.
.

4 comentários:

António Mexia Alves disse...

Chamou-te e não só...
Inspirou este belíssimo poema.
Um abraço

joaquim disse...

Obrigado António!

Um abraço, meu irmão.

Graça Pimentel disse...

Que bem me soube "saborear" este poema. Estava mesmo precisada.
Obrigada por ele.

joaquim disse...

Obrigado Graça.

Graças a Deus!

Um abraço amigo em Cristo