quarta-feira, 20 de novembro de 2013

O PADRE LAPA, A PNEUMAVITA E EU

.
.
 

 
 
 
 
 
 
 
 
Neste Sábado que passou, convidado pela Comunidade Pneumavita, fui dar testemunho da vida que Deus me deu, à 39ª Assembleia do Renovamento Carismático Católico em Portugal.
 
Estar com a Pneumavita é para mim, estar em comunhão, estar em família, e, aliás, esta imagem da família é perfeita, porque foi nesta e com esta Comunidade que dei os primeiros passos no meu reencontro com Deus, com a Fé, com a Igreja.
 
E um dos obreiros, ou melhor, o obreiro principal deste reencontro com Deus, com a Fé e com a Igreja, foi o Padre José da Lapa, Espiritano, que trouxe consigo de Roma o Renovamento Carismático Católico para Portugal.
 
Já não sei desde quando o conheço, mas com certeza, pelo menos, desde os inícios dos anos 70, em Monte Real, onde vinha todos os anos fazer 15 dias como capelão da Capela das Termas e ficava hospedado no nosso Hotel.
Lembro-me de ser nesses primeiros anos da década de 70, pelo menos, porque foi numa altura em que estava em Comissão Militar na Guiné e vim passar umas férias à Metrópole, (então assim chamada), e o Padre Lapa se metia comigo sempre que me via, estando na minha memória o facto de os porteiros do Hotel me tratarem por Sr. Alferes, coisa que eu achava que não tinha nada a ver comigo.
 
Mas não é isso que é importante, mas sim que o Padre Lapa tinha o “hábito” nessa altura e mais tarde, de meter conversa comigo, o que não me agradava muito, não só pela sua maneira de ser alegre, intensa, mas também porque eu andava totalmente afastado de Deus e da Igreja e não queria conversas sobre o assunto.
 
Acresce o facto de ele não me inspirar grande confiança, sobretudo depois do seu empenhamento no RCC, porque andava então com um Volkswagen, (tipo carocha), com um grande autocolante dizendo, «Jesus está vivo!», para além de que, as Missas celebradas na Capela das Termas, (a que eu não ia pelas razões atrás apontadas), me pareciam assim uma “coisa” sem jeito, com músicas alegres e muito participação.
Mas, curiosamente, ele não me largava, salvo seja, e em cada oportunidade para se aproximar de mim, lá vinha ele meter conversa e era insistente e paciente, porque eu, que não era de muito bom feitio, mostrava-lhe muitas vezes uma cara desagradável e dava-lhe respostas monossilábicas e irritadas, mas que não o afastavam de mim.
Hoje quando olho para trás pergunto-me se Deus não estaria já a preparar o meu regresso, dando-me assim a conhecer àquele que havia de guiar os meus primeiros passos no reencontro com o Senhor da vida.
 
E os anos passaram, e o Padre Lapa deixou de ir para Monte Real, e os encontros fortuitos acabaram-se, e eu continuei a minha vida afastado de Deus, da Fé, da Igreja e a certa altura, afastado até de uma vida decente e com sentido.
 
E chegaram os anos 90, e perante algumas discussões que foram chegando sobre Deus e a Igreja, (e a continuação da minha vida perdendo-se sem sentido), comecei a minha procura de Quem eu queria acreditar que existia e me podia ajudar a ser diferente, a ter uma vida com sentido, a ter uma vida útil, para mim e para os outros.
 
Passada a primeira fase em que me sentava na Igreja vazia, frente ao sacrário, conversando com Quem eu queria acreditar lá estaria, comecei a “ir” à Missa e a frequentar a igreja, ainda não para mim, Igreja com maiúscula.
Mas era pouco, muito pouco, e eu precisava de algo que me agarrasse, que me motivasse, que tornasse mais presente Deus na minha vida.
E lia, e lia e procurava algo que não sabia se ia encontrar.
 
Num desses livros que li, informava-se sobre os novos Movimentos da Igreja, surgidos após o Concílio Vaticano II, e um deles, pelo seu empenho no Espírito Santo, (não me perguntem porquê, mas naquela altura pareceu-me fazer todo o sentido, o Espírito Santo, claro), mencionava-se o Renovamento Carismático Católico, e que quem o tinha trazido para Portugal era o meu já conhecido Padre José da Lapa.
 
Não terá sido um acto irreflexo, mas também não foi um acto muito pensado, mas a verdade é que dei comigo a escrever uma carta ao Padre José da Lapa, (em Junho de 1997), carta que lida mais tarde, não me pareceu coisa que eu quisesse escrever na altura.
Basta reparar neste segundo paragrafo que aqui reproduzo:
«Quero em primeiro lugar pedir-lhe que me perdoe por diversos “processos de intenção”, por diversos pensamentos e palavras, que contra si dirigi e que agora vejo estavam perfeitamente errados, não só porque não tenho o direito de julgar os outros, como também o tempo, em que Deus Nosso Senhor manda, acabou por lhe dar razão.»
Eu a pedir desculpa! Coisa estranha!
 
Demorou tempo, muito tempo quanto a mim, (de tal modo que passado um mês escrevi nova carta), e a resposta não chegava, e eu ia pensando que da forma como o tinha tratado era muito normal que ele não quisesse nada comigo.
Afinal não o conhecia ainda!
 
Recebi logo a seguir a sua resposta informando que tinha estado fora e só então me podia responder.
Tratava-me com um “velho” amigo, numa carta repassada de alegria por me perceber à procura de Deus, (sem conselhos nem admoestações), e convidava-me a estar presente na 23ª Assembleia do RCC/Pneumavita, em Novembro desse ano, disponibilizando-se de imediato a tratar de tudo para eu poder estar presente com aminha mulher.
Lembro-me de estar preocupado com a minha ida e de ter falado com ele, que me respondeu qualquer coisa como «vem e vê», assim, tão simplesmente.
 
E assim foi!
Estive nessa Assembleia e a minha vida mudou ainda mais, e lembro-me bem com que alegria abracei o Padre Lapa em Fátima e ele me abraçou a mim.
 
 
(continua)
Marinha Grande 20 de Novembro de 2013
Joaquim Mexia Alves
 
 
Nota:
Primeira parte deste testemunho que decidi escrever sobre a importantíssima referência do Padre José da Lapa, bem como da Comunidade Pneumavita, na minha vida.
Porque esta mudança da minha vida foi uma enorme alegria para a minha mãe, (que faria hoje 104 anos), publico hoje este testemunho, em sua memória e em homenagem ao Padre José da Lapa e à Pneumavita.
.
.

6 comentários:

Maria S disse...

Lindo este texto, o caminho que o Senhor usou para o converter!

Concha disse...

Gosto imenso de ler histórias de regresso a Deus,porque sendo todas diferentes umas das outras,têm em comum factos simples do dia a dia em que se adere sem se saber muito bem porquê e mudam totalmente a vida.Pensa-se e age-se de determinado modo até acontecerem e depois muda-se completamente e percebe-se o que fez mudar.O que no dia a dia nem sempre conseguimos discernir com tanta clareza sobre factos que nos acontecem.
Esta é sem dúvida uma linda história de vida e de certeza que hoje alguém no Céu está feliz por ter acontecido assim.
Um abraço na Paz

Filha de Maria disse...

Também lá estive, sentadita e caladita, a ouvir... e ouvi-te, eheheh

Gostei muito do seu testemunho, também eu achei desprositado certas coisas do RCC, também eu pensei... o Pe. passou-se, eheheh, a figura que fazemos, quando estamos longe de Cristo!

Abraço fraterno em Cristo e Maria

joaquim disse...

Obrigado Maria!

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

É verdade Concha!

É uma história linda que se vai fazendo todos os dias.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Obrigado "Filha de Maria"

Pois naquele mar de gente, não consefgui distinguir ninguém.

Um abraço amigo em Cristo