quinta-feira, 10 de março de 2011

O DEMÓNIO E AS TENTAÇÕES (9)

.
.
«Quem poderá separar-nos do amor de Cristo?
A tribulação, a angústia,
a perseguição,
a fome, a nudez,
o perigo, a espada?
De acordo com o que está escrito:
Por causa de ti, estamos expostos à morte o dia inteiro,
fomos tratados como ovelhas destinadas ao matadouro.
Mas em tudo isso saímos mais do que vencedores,
graças àquele que nos amou.
Estou convencido de que nem a morte nem a vida,
nem os anjos nem os principados,
nem o presente nem o futuro,
nem as potestades,
nem a altura, nem o abismo,
nem qualquer outra criatura
poderá separar-nos do amor de Deus
que está em Cristo Jesus, Senhor nosso.»
Rm 8, 35-39

«Mas em tudo isso saímos mais do que vencedores, graças àquele que nos amou.»

Nada «poderá separar-nos do amor de Deus que está em Cristo Jesus, Senhor nosso.»

Bastariam estes dois versículos para finalizar estes incompletos textos sobre o “Demónio e as Tentações”, e a conclusão seria perfeita.

Com efeito, sempre que nós cristãos católicos, pensamos ou reflectimos sobre a existência do “Demónio e as Tentações” com que nos quer seduzir, para que abandonemos, para que rompamos a aliança de amor de Deus com os homens, deveremos ter sempre presente estes versículos, que nos afirmam a Verdade para sempre, a verdade da vitória de Deus, da vitória do amor, sobre o mal.

Quem procura Deus em verdade, quem se deixa encontrar por Ele, quem n’Ele permanece e cumpre a Sua vontade, nada deve temer, porque o Senhor já venceu o pecado e a morte e com Ele nos fez vencedores.

Quem assim vive, nessa comunhão, sabe, acredita, crê, com a graça da fé que Ele mesmo dá, que pode caminhar, pode tropeçar, pode cair, pode até quase chegar às trevas onde parece não haver luz, que sempre, mas sempre, basta estender a sua mão, porque a mão d’Ele a agarra e o salva de todas as tentações, de todos os perigos.

«Salva-me, Senhor!» Imediatamente Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e disse-lhe: «Homem de pouca fé, porque duvidaste?» E, quando entraram no barco, o vento amainou. Mt 14, 30-32

Ao reflectirmos sobre o “Demónio e as Tentações” é necessário ter sempre presente que essa reflexão se faz como um aviso, como uma preparação, como um melhor conhecimento do que temos de enfrentar, mas que a certeza que cada cristão deve ter no seu coração, na sua vida, é que nada «poderá separar-nos do amor de Deus que está em Cristo Jesus, Senhor nosso.»

Não são portanto reflexões que levem ao medo, ao temor, ao desânimo perante a luta a travar, mas sim que levam à confiança, que se revestem de esperança, que ao nos chamarem à vigilância, nos fortalecem e nos levam à certeza, que «em tudo isso saímos mais do que vencedores, graças àquele que nos amou.»

E devemos repetir estes dois versículos tantas vezes quantas forem necessárias, para percebermos que, se devemos ter a consciência do mal que nos quer perder, devemos ter ainda mais a consciência de que o mal nada pode contra nós se permanecermos no amor de Deus.

E esta é a certeza mais profunda de que devemos ser possuídos:
Que o amor de Deus é muito maior do que todo o mal que nos rodeia, que o amor de Deus é infinitamente maior do que todas as nossas fraquezas, do que todo o nosso pecado, e que basta deixarmos que o Seu olhar misericordioso encontre o nosso olhar de arrependimento, para que todo o pecado seja perdoado, a aliança se restabeleça, (da nossa parte, claro, porque n’Ele a aliança connosco é permanente), e a comunhão aconteça para nos dar a vida, «e vida em abundância». Jo 10,10

«Voltando-se, o Senhor fixou os olhos em Pedro; e Pedro recordou-se da palavra do Senhor, quando lhe disse: «Hoje, antes de o galo cantar, irás negar-me três vezes.» E, vindo para fora, chorou amargamente.» Lc 22, 61-62

Estamos a iniciar a Quaresma.

Confesso que não foi de propósito, e é com certeza uma “Deuscidência”, (uma coincidência de Deus), mas se todo o tempo é bom para examinarmos a nossa vida, a nossa relação com Deus, este é sem dúvida um tempo propício para, caminhando no deserto com Jesus durante quarenta dias, percebermos as tentações que povoam a nossa vida e às quais tantas vezes cedemos, porque não vigiamos, porque não oramos, porque não somos amor para Deus, e em Deus, amor para os outros.

«Mas em tudo isso saímos mais do que vencedores, graças àquele que nos amou.»

Nada «poderá separar-nos do amor de Deus que está em Cristo Jesus, Senhor nosso.»


Monte Real, 10 de Março de 2011
.
.


18 comentários:

ontiano disse...

De facto, o tema não pode acabar porque...a condição humana está ligada à actuação do demónio nas almas, mas, compreende-se que, a partir de um determinado ponto comece a haver uma repetição dos argumentos até porque não há nada novo para descobrir.
Será interessante esperar um par de anos para voltar a publicar estes textos - não apenas como exercício de aferir o acolhimento e a reacção - mas, principalmente, para recordar matéria que tende a "adormecer" nas mentes que não gostam de "incómodos".
Bem haja o autor pela oportunidade e clareza dos textos.

Nova Civilização disse...

Amigo Joaquim

és realmente uma "deuscidência" pois hoje estava a refletir sobre esse versículo do do livro de romanos, para a quaresma, de que nada poderá nos separar do amor de Cristo. Senti algo forte, um acolhimento e muita força para crer. Agora cheguei aqui e me deparei com ele logo no início. Deus realmente é maravilhoso.Ando a passar por algumas provações e ele está a me dar alguns sinais... Sinto isso e sei que tudo corre na vontade do senhor mesmo que haja algumas dores esse é o caminho. Um caminho no qual peço ser transformado em seu amor, por Cristo Jesus nosso Salvador!

obrigada

Gisele

joaquim disse...

Obrigado António

Penso muitas vezes, depois de os escrever e ler, até que ponto também eu me confronto com tantas práticas da minha vida que tenho de emendar e purificar, com a graça de Deus.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Amiga Gisele

Que bom!

Deus é assim! Quando precisamos muito Ele mesmo se encarrega de nos dar os sinais que precisamos.

Basta ter o coração aberto, cheio de confiança e esperança.

Rezo por ti e pelas tuas dificuldades.

Um abraço amigo em Cristo

Maria João disse...

Olá!

Tenho um convite no meu blog.

paz Cristo e Maria
Maria João

joaquim disse...

Obrigado Maria João

Já te respondi

Um abraço amigo em Cristo

DE MÃOS DADAS disse...

Joaquim coloquei um comentário no teu ultimo texto que desapareceu.
Fiquei triste ainda pensei colocar outro mas passou-me.
Gostei deste texto e penso que Jesus verdadeiramente nos resgatou.
Vigiai e orai para não cairdes em tentação
Mat 26:41
Que o Espirito Santo nos ilumine
Abraço em Cristo

Ailime disse...

Amigo Joaquim,
Grata por mais estes ensinamentos que sem dúvida acrescentam muito ao que ainda me falta aprender, me falta conhecer.
Que o Senhor nos dê Força e Coragem para seguirmos o Seu Caminho sabendo aceitar com humildade os seus desígnios.
Abraço amigo em Cristo.
Ailime
(Como fiquei muito sensibilizada sobre o Tsunami no Japão e as suas consequências fico agora com algumas dúvidas se estará correcto o Salmo que escolhi e que coloquei no meu Blog.)

joaquim disse...

Amiga Ailime

Obrigado pelos teus comentários que me vão ajudando a ir continuando.

Já fui ao teu blçogue e deixei lá um comentário.

Um abraço amigo em Cristo

Ailime disse...

Amigo Joaquim,
Muito obrigada pela prontidão com que respondeu à minha dúvida.
Vou continuar atenta aos seus escritos que além de muito esclarecedores são autênticos testemunhos de Fé.
Bem-haja.
Abraço fraterno em Cristo.
Ailime

joaquim disse...

Utilia

Não cheguei a ver o teu comentário e tenho pena.
Não faço ideia o que possa ter acontecido.
Gostava francamente que me dissesses pelo menos a ideia geral do mesmo.

É verdade, quis acabar esta série de textos, (embora o assunto não esteja minimamente acabado), com um texto de confiança e esperança.

Nós somos de Deus por amor e não por temor.

Obrigado pelos teus coemntários.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Amiga Ailime

Obrigado mais uma vez.

Que Deus a abençoe.

Um abraço amigo em Cristo

concha disse...

Amigo Joaquim
Só hoje consegui ler-te e confesso, que sendo para mim as manhãs de domingo um tempo de paz na minha vida,só te posso dizer que ao longo deste texto fiquei sensibilizada pela presença de Deus na tua vida e que acredita me contagiou.Bem hajas pela tua partilha.
Um abraço amigo na Paz

joaquim disse...

Obrigado Concha.

Se não O testemunharmos de nada serve dizer que O seguimos.

Um abraço amigo em Cristo

Paulo disse...

Finalizando este teu excelente artigo, constacto que (eu em primeiro lugar) por vezes sou um "Homem de pouca fé."

joaquim disse...

Paulo, meu amigo, somos todos em muitos momentos das nossas vidas.

Mas com a graça do Senhor iremos vencendo as nossas fraquezas.

Um abraço amigo em Cristo

malu disse...

Tal como a Gisele, também eu encontro aqui uma 'deuscidência' que faz que o teu post me toque mais ainda. O tempo que demorei em vir ler-te, deve-se precisamente a ter estado a escrever um texto para a Quaresma, no qual noto a coinciência e penso que então serão pontos a que terei que dar mais atenção e reflectir.

Muito obrigada por isso (também) e abraço em Cristo e Maria.

joaquim disse...

Malu

Ainda bem que Deus nos vai dando estas "Deuscidências".

E esse texto, podemos lê-lo?

Se o escreveste assim em encontro com Deus, então não é só para ti, é para todos nós...

Ficamos à espera.

Um abraço amigo em Cristo