quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A POLÉMICA DOS CRUCIFIXOS

.
.
Recentemente em Espanha, (como cá também e por essa Europa fora), veio outra vez “à baila” na comunicação social, a obrigatoriedade que querem impor da retirada dos crucifixos das escolas, e, porque não, de todos os lugares públicos, o que será sem dúvida a próxima imposição.

Verdadeiramente e no fundo, no fundo, não querem retirar os crucifixos de lado nenhum, querem é retirar Jesus Cristo do crucifixo, eu seja, querem é retirar Jesus Cristo … da Cruz!

É que esta imagem da realidade vivida por Jesus Cristo, Nosso Senhor e nosso Deus, feito Homem, é insuportável aos desígnios, aos anseios, aos desejos daqueles que querem afirmar ao homem de hoje, que a vida é para ser vivida no ter e não no ser, é para ser vivida em todos os prazeres momentâneos, é para ser vivida sem grande esforço, no dinheiro e para o dinheiro.

Mas a realidade, o dia-a-dia, desmente-os em cada momento, em cada situação, em cada vida vivida.

Porque o homem que apenas tem, quer ter sempre mais, e por isso mesmo nada o satisfaz, pelo que nunca chega a ser, e não sendo nunca, nunca se encontra a si mesmo, mas apenas a uma imagem distorcida de si, o que o leva à infelicidade.

Aquele que procura apenas os prazeres, os prazeres mundanos, e deles faz a sua vida, acaba sempre por ser confrontado mais tarde ou mais cedo pelas terríveis consequências desses prazeres, desde as doenças transmitidas, às adquiridas por esses hábitos, de tal modo que esses prazeres acabam por se transformar em dor e infelicidade.

Aquele que vive para o dinheiro e pelo dinheiro, fecha-se em si próprio, e julgando que tudo pode, descobre mais tarde ou mais cedo que o dinheiro não lhe compra a paz, o amor, a felicidade, que esse dinheiro é coisa efémera que pode perder de um momento para o outro, e mais ainda, que o dinheiro não lhe compra nada depois da morte.
Lembra-me de alguém que dizia como epitáfio dum “homem rico”: “Era tão pobre, tão pobre, que apenas tinha dinheiro”.

E afinal quem foi o Único que revelou ao homem o seu caminho e lho mostrou com realidade, passando pela Cruz?

Foi Jesus Cristo, sem dúvida, que nunca escondeu ao homem que a vida tinha dificuldades, tinha dores, tinha tristezas, mas que era apenas passageira aqui neste mundo, pois que vivida no amor, levava pela graça de Deus à vida eterna, ao gozo eterno da perfeita felicidade.

Assim, Ele próprio, o Filho de Deus feito Homem, quis-se fazer igual a nós em tudo, excepto no pecado, passando pelas dores e anseios próprios do homem, (comeu e bebeu, teve fome e sede, descansou e também se cansou, alegrou-se, mas também se entristeceu e chorou), tendo sido desprezado e mal tratado pelos seus até um limite insuportável, para nos mostrar a força do amor, a força do perdão, que todos nós devemos viver quando somos ofendidos, desprezados, mal tratados, e quando também assim procedemos para com os outros.

Oh, como Ele seria muito mais bem aceite se naqueles momentos tivesse descido da Cruz e com o Seu poder tivesse destruído os seus algozes tomando conta do poder de então!

Assim seria reconhecido, sem dúvida, como um Deus poderoso, vitorioso, apenas pelo domínio exercido sobre os “pobres” mortais!

Mas se assim procedesse, rapidamente viriam reclamar a liberdade, pois este Deus nada permitiria, e o homem não seria livre de escolher o seu caminho.

Pois, mas assim Ele não seria o Deus de todos, pois aqueles que Ele destruía, também condenava, e sabemos que o nosso Deus é um Deus de comunhão e amor a todos e com todos.

Assim, Ele não seria o Deus de amor e perdão, o Deus que se faz pequeno na sua grandeza, o Deus que veio para servir e não para ser servido!

E isso é insuportável ao mundo!

É insuportável ao mundo que Aquele que criou, não domine sobre as criaturas, e lhes dê a liberdade de acreditarem e seguirem Aquele que as criou, podendo até renegá-Lo!

Isso é inadmissível num mundo que quer viver o individualismo, o egoísmo, o “passar por cima” dos outros para obter o que deseja, um mundo que vive da vingança, e em que o pedir perdão e o perdoar é visto como uma fraqueza.

É, sem dúvida, assim insuportável a figura d’Aquele Deus, pregado na Cruz, um Deus Todo Poderoso, que no momento da Sua Morte apenas diz: «Perdoa-lhes, Pai, porque não sabem o que fazem.» Lc, 23, 34

Por isso eu digo e repito, não é o crucifixo que os incomoda, mas sim Jesus Cristo pregado na Cruz, proclamando que o Amor, («aquele que não ama não chegou a conhecer a Deus, pois Deus é amor.»1 Jo 4,8), é que é a vitória do homem sobre si mesmo, para se dar aos outros, encontrando e encontrando-se neles em Cristo, para Cristo e por Cristo, a razão da sua existência, a sua imagem e semelhança ao Deus que o criou.

Verdadeiramente e no fundo, no fundo, não querem retirar os crucifixos de lado nenhum, querem é retirar Jesus Cristo do crucifixo, querem é retirar Jesus Cristo … da Cruz!


Monte Real, 25 de Novembro de 2010
.
.

11 comentários:

Pe. JAC disse...

Olá Joaquim
Obrigado pelo belo texto...
E o Advento? Repetimos a experiência anterior. Associas-te? Passa no meu blogue ou no da Utília....

Vamos marcar diferente este Advento!!!

Rogéria Gillemans disse...

Joaquim Mexia, o homem quer, tenta impor a sua imoralidade, o caos, julgando que pode tudo, desde os primórdios mais remotos, por essa razão o Pai enviou o Seu Filho para Divulgar a Sua Palavra, os Seus Ensinamentos, dar ordem ao caos, moral à imoralidade, e mostrar que nós existimos porque Ele existe, e essa é a Sua vontade. O Seu Filho habitou entre nós, para nos mostrar o mal e os caminhos de todos os maus vícios que arrastam e levam à nossa perda como criaturas do único Criador... foi perseguido, preso, humilhado, torturado, flagelado e cruxificado. Mas, não morreu e do Alto da Cruz onde expiou os nossos pecados para nos resgatar do mal, é o nosso amparo, a nossa coragem, a nossa força, e a nossa Fé para um mundo melhor!
Porque o visível e o invísivel é Obra do Criador, e só Ele tem o Poder sobre todas as Suas Criações que nós próprios fazemos parte desse todo.
Eu não temo a vontade dos desvalores e da imoralidade de muitos... sobre a vontade e os valores de muitos mais...
Recordo os tempos em que o Crucifixo símbolo do Amor, da Verdade, do Caminho que leva o homem à Redenção Suprema atravês do bem prevalecendo sobre o mal, e da Fé, era escondido, os cristãos vivem escondidos pela feroz perseguição feita sobre eles, por homens sem Fé, sedentos do poder, que têm nas suas vidas o deus menor o dinheiro e o caos, para melhor reinarem...
Recordo os tempos em que os Livros sobre o Criador ,e o Seu Filho, feito Homem, eram queimados...
Recordo os tempos em que os filhos do Criador fiéis a Jesus e aos Seus ensinamentos Divinos, eram lançados para as fogueiras...
Não conseguiram, estamos vivos, presentes neste mundo como testemunhos da existência Divina, professando as suas Leis.
Porque só o Criador Pode, e Decide sobre todas as coisas, prevalecendo sempre a Sua Vontade Decisão!

joaquim disse...

Amigo Padre José António

Obrigado!

Irei por lá passar então.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Caríssima Rogéria Gillemans

Muito obrigado pelas suas palavras, que aqui nos deixa.

Um abraço amigo em Cristo

DE MÃOS DADAS disse...

Amigo Joaquim
É dificil retirarem as cruzes.
Existem por aí a cada canto de aldeia e de um tamanho tal que até lhe chamam cruzeiros, sem contar com as cruzes da vida de cada um.

Não sei porquê que umas incomodam tanto outras não?.

O problema penso que é, por ex nas escolas há crianças de diferentes religiões e a cruz talvez tenha muito significado para uns e para outros não. Será?.
Mas isso não é motivo para as retirar mas sim explicar o que significam.

O sinbolismo religioso é importante mas muito mais importante é a paz entre os homens.
O respeito uns pelos outros e acima de tudo saber as verdadeiras razões de tanta guerra.
Abraço fraterno.
Utilia

joaquim disse...

Amiga Utilia

Tem razão naquilo que nos diz.

Eu quis, no entanto, tentar perceber porquê esta sanha contra os crucifixos, para além do facto em si.

Jesus Cristo incomoda muito, sobretudo na Cruz, porque é uma imagem contrária ao facilistimo do mundo dos nossos dias.

Um abraço amigo em Cristo

concha disse...

Amigo Joaquim
A cruz incomodaaquem que ela é gloriosa, porque quando vivida com aceitação nos aproxima mais de Deus e nos dá forças para a encarar como fazendo parte de um caminho em direcção a Deus mudando a nossa vida e a de quantos nos rodeiam fazendo com que tenhamos aquela paz que só pode vir de Deus.
A cruz incomoda porque vivemos num Mundo em que aquilo que nos chama à essência da vida é secundário, porque exige renúncia do que no dia a dia nos aliena e nos dá uma felicidade temporária.
Um abraço com amizade na Paz de Cristo

joaquim disse...

Amiga Concha

Obrigado pelas tuas palavras.

É verdade, a cruz incomoda e Jesus Cristo na Cruz ainda mais.

É contra tudo aquilo que o mundo quer!

Um abraço amigo em Cristo

Taiana Froes disse...

Ola! Muito prazer e q maravilhoso post!! Pois é, querem tirar Jesus da Cruz e Deus de suas vidas de uma vez por todas, é a triste realidade actual! O mundo está cada vez mais sem Deus e este mundo sem Deus está condenado a ruína! Deus tenha misericordia de nós e de nossas familias...

joaquim disse...

Taiana Froes

Obrigado pela visita e pelas palavras que aqui deixa.

É verdade querem tirar Deus do mundo e isso só leva á infelicidade do homem.

Para nossa consolação basta-nos saber que Deus nunca desiste do homem.

Um abraço amigo em Cristo

Canela disse...

Só agora pude ler.

O que os incomoda verdadeiramente, é olhar para todas aquelas Santas Chagas abertas, que sangram mais e mais a cada indiferença...

Muito bom meu amigo!