quarta-feira, 17 de novembro de 2010

BAIXO A CABEÇA, ENVERGONHADO!

.
.
Paquistão: mulher cristã é condenada à morte por blasfémia

ISLAMABAD, quinta-feira, 11 de Novembro de 2010 (ZENIT.org) - Asia Bibi, operária agrícola de 37 anos e mãe de duas crianças, é a primeira mulher condenada à morte no Paquistão sob a acusação de blasfémia.
A mulher foi acusada de ter ofendido o islão durante uma discussão no trabalho, na qual algumas mulheres haviam tentado convertê-la, segundo informou a agência AsiaNews.
A sentença, emitida por um tribunal de Punjab no último domingo, refere-se a uma discussão que ocorreu em 2009, na localidade de Ittanwali.
Durante a discussão, frente à insistência das colegas a que renunciasse ao cristianismo, Asia Bibi falou como Jesus morreu na cruz pelos pecados da humanidade e perguntou às demais mulheres o que Maomé havia feito por elas.
A norma do código penal paquistanês castiga com a prisão quem ofende o Alcorão e com a morte a quem insulta o profeta Maomé.
As colegas muçulmanas bateram em Asia Bibi e trancaram-na num quarto. Segundo explica a organização caritativa Release International, uma multidão reuniu-se no local e começou a insultar, tanto a ela como aos seus filhos.
A Asia Bibi também foi imposta uma multa equiparável a dois anos e meio do seu salário.
Com relação a esta sentença, o secretário executivo da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Conferência Episcopal do Paquistão, Peter Jacob, declarou à agência Fides que "os cristãos estão sob ataque pelo uso instrumental da lei anti-blasfémia".
"Os casos de falsas acusações são vários e estamos muito preocupados: já foram pelo menos 5 nos dois últimos meses", explicou.
"Infelizmente, não há mudanças à vista: o governo não considera em absoluto uma revisão ou uma abolição da lei - lamentou. E isso é muito grave."

Excertos da notícia da ZENIT



E nós, cristãos portugueses, lamentando-nos que no nosso país a Igreja está a ser atacada, que a nossa vida de cristãos católicos não está fácil e, às vezes, até mesmo chegamos a afirmar que somos perseguidos!

Quantos de nós seriamos capazes de responder como esta cristã paquistanesa quando colocados naquela situação?

Ou responder como este cristão iraquiano:
“Não temos medo da morte, porque Jesus morreu por nós. Claro que choramos, mas são lágrimas de alegria, porque morremos por Deus”. As palavras são de um professor cristão de 32 anos que ficou ferido no ataque à Igreja Siro-Católica de Nossa Senhora da Salvação e ali voltou para a uma celebração, em memória das vítimas.

Poucos com certeza, pois perante a realidade de sermos chamados a votar, (em liberdade e segurança), num referendo sobre o aborto, ou a “lutar”, (em manifestações autorizadas e seguras), pela dignidade da Família e dos valores, optamos por ficar em casa, ou então adaptamos a Doutrina às nossas conveniências, votando em conformidade.

Que testemunho damos nós, cristãos, aos nossos filhos, aos nossos netos, aos jovens deste país?

Poucos ou nenhuns, e para lhes darmos testemunhos de fé, temos de ir buscar exemplos como estes, de mulheres e homens perseguidos por causa do Nome de Jesus Cristo, em países longínquos!

E não lhes cabe a eles, jovens, filhos, netos, perguntar-nos onde estávamos nós quando foi da votação do referendo sobre o aborto, ou que outras “actividades” nos impediram de nos manifestarmos e afirmarmos contra a destruição persistente da Família e dos valores cristãos?

Provavelmente é bem preciso que sejamos perseguidos e condenados em Portugal por sermos cristãos, para ver se saímos da letargia, do “sono dos justos” em que nos deixámos adormecer, e afirmarmos a nossa fé sem medo, sem vergonha, com a convicção daqueles que, como baptizados, são o Povo de Deus.

E não precisamos de nos preocupar com o que havemos de dizer para nos defendermos, porque é o próprio Deus que vem em nosso auxílio:
«Assim, tereis ocasião de dar testemunho. Gravai, pois, no vosso coração, que não vos deveis preocupar com a vossa defesa, porque Eu próprio vos darei palavras de sabedoria, a que não poderão resistir ou contradizer os vossos adversários.» Lc 21, 13-15

E nada perderemos do que somos como filhos de Deus, tendo apenas como condição a nossa constância na fé:
«Mas não se perderá um só cabelo da vossa cabeça. Pela vossa constância é que sereis salvos.» Lc 21, 18-19

Bem nos alertava o Evangelho deste Domingo, e, provavelmente, muitos de nós, (nos quais me incluo), acenámos com a cabeça em concordância, mas foi apenas um gesto, porque a prática e a atitude mantiveram-se iguais ao que até então tinham sido e continuaram a ser.

E por isso mesmo surgem de quando em vez frases como estas, («ao olhar para o passado do PR (Cavaco Silva), vejo que desempenhou a sua missão dentro daquilo que a Constituição lhe permite e também numa linha de defesa dos valores e interesses de todos» - D. Jorge Ortiga), que em vez de nos despertarem para o testemunho, nos adormecem na rotina de uma prática morna e amorfa da fé.

Mas o Senhor diz muito claramente a todos os cristãos do mundo inteiro, bem como a nós, cristãos portugueses:
«Conheço as tuas obras: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente. Assim, porque és morno - e não és frio nem quente - vou vomitar-te da minha boca.» Ap 3, 15-16


Monte Real, 16 de Novembro de 2010
.
. 

18 comentários:

André A. Correia disse...

Caro Joaquim, mais uma vez deixas um texto que nos interpela fundo. Obrigado.

DE MÃOS DADAS disse...

Joaqquim
Um texto que me deixou a pensar.
Não é fácil.
Abraço em Cristo
Utilia

Spe Deus disse...

Porque eu próprio me sinto culpado e envergonhado pelas minhas omissões, recorrendo frequentemente arrependido à misericórdia de Deus Nosso Senhor no Sacramento da Penitência, em respeito ao que o Senhor disse ««Aquele de vós que estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire uma pedra» (Jo 8,7) prefiro não lançar farpas contra ninguém. Obrigado!
JPR

C.M. disse...

De facto, nos nossos dias quem dá o exemplo são pessoas "desconhecidas" e humildes, como essa mulher paquistanesa, ou os iraquianos cristãos, que revelam uma coragem apenas comparável aos dos primitivos cristãos. Na Euroap, "dorme-se", afundamo-nos na indiferença. Vamos pagar muito caro esta nossa postura. Já temos o Islão, não à nossa porta, mas sim dentro das nossas "muralhas"!

Canela disse...

Meu amigo;

permite-me que te corrija.

"Baixamos a cabeça envergonhados..."

A Paz de Cristo

joaquim disse...

Caro André

Obrigado.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Amiga Utilia

Testemunhos destes deixam-nos felizmente a pensar.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Meu caríssimo amigo JPR
Muito obrigado pelas suas palavras.
Julgo que entendi o que quer dizer, mas permita-me que lhe diga que eu acho que não estou a atirar “farpas a ninguém” e muito menos “contra alguém”.
Não é essa a minha intenção e muito menos “a ou contra” um Bispo da Igreja que eu amo e me aponta o Caminho todos os dias.
Aliás se reparar eu sou o primeiro a penitenciar-me pela minha falta de testemunho diária.
Servi-me dessa frase para que percebamos o quanto cedemos em nome do politicamente correcto!
No Concílio Vaticano II a própria Igreja nos chama a atenção na Lumen Gentium para a co-responsabilidade no anúncio da Boa Nova, para a co-responsabilidade na e em Igreja, que sempre inclui o testemunho permanente da Fé.
E estas frases, meu amigo, dão muitas vezes razão àqueles que fazem da Doutrina da Igreja Católica uma dimensão, desculpe o termo, de super-mercado onde vamos buscar e nos servimos apenas daquilo que nos agrada ou serve as nossas conveniências.
Se aquela mulher Paquistanesa assim tivesse procedido, não estaríamos agora a falar dela e não haveria nenhum testemunho para dar.
Obrigado pelo seu comentário que me permitiu este esclarecimento.
Sou, e pelos meus pobres escritos se nota isso mesmo, um fiel obediente à Doutrina e ao Magistério da Igreja.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

É verdade amigo Delfim.

Enquanto os testemunhos de fé vem do Oriente, aqui no Ocidente vamo-nos adormecendo numa prática religiosa morna e rotineira, tirando algumas excepções, claro.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Amiga Canela

Obrigado pela companhia!

Um abraço amigo em Cristo

Pe. JAC disse...

E não há hoje Mártires de Cristo?
Claro que há...
Eis um...
Obrigado pelo belo texto!!!

joaquim disse...

Padre José António, meu amigo, obrigado!

E pela força da Palavra e pelo caminho que a sociedade está a tomar, vai haver mais com certeza, muito provavelmente junto à nossa porta.

Que nós saibamos ser dignos e testemunhas verdadeiras, como estes mártires que apontam para Cristo.

Um abraço amigo em Cristo

Sinais no Mundo... disse...

Passo por aqui frequentemente...hoje, em especial, para te recordar que quando morri te levei no pensamento...

Sê Feliz! O Teu Amigo de todas as Horas...

Cristo

joaquim disse...

Obrigado "Sinais no Mundo"

Um abraço amigo em Cristo

Paulo disse...

Tantas são as vezes que somos confrontados com situações idênticas e o que fazemos? Somos como Pedro, ao negar Cristo. O mundo não é perfeito, nem nós mas, está a chegar a hora em que nos devemos levantar e gritar bem alto "Vinde Senhor Jesus!" a nós, já que estamos mornos em relação a Ti. Ele está no meio de nós, mas nós sentimo-Lo? Realmente, o Oriente defende com unhas e dentes a sua religião, chegam ao extremismo é certo, mas nós (começando por mim) tantas são as vezes que até a atacamos...Perdoa-nos Senhor e ajudai este Teu povo.

joaquim disse...

Paulo, obrigado pelas tuas palavras, que vêm reforçar o texto.

O tempo é de testemunho empenhado, em Cristo, servindo os irmãos.

Abraço amigo em Cristo

Maria disse...

Meu amigo,
Belo texto que nos interpela bem fundo na alma e nos faz refectir.
Perante estes factos, somos cristãos de estufa. A perseguição
dos católicos nos Paquistão e nos países onde impera o Islão está cada vez mais activa. E quando se permite no Ocidente a propósito da liberdade de expressão??? se permitam manifestações, como a que há pouco desfilou em Londres com as maiores obcenidades contra a Igreja católica, pouco há a dizer...
Paz e bem!

joaquim disse...

Obrigado Maria, pelas suas palavras.

Lá perseguem os cristãos e aqui nós damos-lhe guarida e liberdade, mas é isso também que é ser cristão.

"Esforçemo-nos" em Cristo para darmos testemunho, porque por esse testemunho muitos serão tocados pela graça de Deus.


Um abraço amigo em Cristo