quinta-feira, 23 de novembro de 2006

O ESPÍRITO SANTO

É uma luz, uma suavidade, um amor, um toque, uma carícia, um carinho, um calor, uma presença que se desenvolve dentro de nós e nos enche por completo.
Aquilo que era razão de viver e estava no exterior, deixa de o ser, para dar lugar a outra aspiração interior, para dar lugar a outra vivência, mais viva, mais vivida, mais sentida, mais cheia de uma graça que não conseguimos explicar.
O interesse que nos despertavam as coisas do mundo, as riquezas, a importância social, o nosso comportamento pensado e repensado, deixa de ser importante, deixa de ser um fim em vista, para dar lugar a uma procura constante da santidade, do bem estar espiritual, do testemunho dado na vida que continuamos a viver no mundo, para que os outros também possam ver e viver o que nós vivemos.
Como tudo é diferente!!! Como tudo se modifica!!!
Quando vivemos para as riquezas do mundo, queremos ter sempre mais que os outros e a maior parte das vezes desejamos egoisticamente que os outros não tenham aquilo que nós já temos.

Agora começamos a viver para as riquezas de Deus e queremos que os outros tenham tudo o que nós já temos e tenham até mais, para nos poderem guiar e servir de testemunho.
Quando vivemos para conseguir o mundo, nunca temos tempo para nada, nem sequer para todas as coisas do mundo, quanto mais para Deus.
Agora começamos a viver para “alcançar” o Céu e assim temos tempo para Deus, para tudo e até temos tempo para o mundo.
Quando vivemos para nós próprios e por nós próprios, aos “sucessos”, que nos enchem de orgulho, sucedem-se as “derrotas” que nos provocam humilhação, (não humildade), que causam a solidão de quem vive apenas para si, convencido que é capaz de tudo sozinho.
Agora começamos a viver para Deus, para os outros, e assim os “sucessos” não são nossos, mas de Deus e de todos, (o orgulho não tem lugar), e mesmo que as coisas não corram bem, humildemente aceitamos como não sendo bom para nós aquilo que afinal desejávamos e instala-se a paz, a tranquilidade e nunca nos sentimos sozinhos.
Quando vivemos para a nossa vontade e para os nossos planos, e as coisas falham e os planos não resultam, muitas vezes desesperamos, atiramos para cima dos outros os nossos falhanços, sentimo-nos sós e derrotados, não aceitamos e fechamo-nos mais em nós próprios.
Agora que começamos a viver para cumprir a vontade de Deus e os Seus planos, quer na vida espiritual, quer na vida material, sentimo-nos mais acompanhados e quando as coisas falham, ficamos tristes é certo, mas aceitamos como fonte de crescimento a contrariedade, voltamo-nos para nós procurando saber onde nos afastámos da vontade do Senhor, humildemente baixamos a cabeça e com a força que nos vem dEle recomeçamos segundo a Sua vontade.
Quando vivemos baseados naquilo que na nossa cabeça pensamos que é bem e que é mal, o nosso crescimento é desordenado, os recuos são maiores que os avanços, a paz e a serenidade andam longe e praticamos muitas vezes coisas más, porque nos quisemos convencer que eram boas.
Agora que começamos a viver no que é o bem vindo de Deus, afastando o mal que Ele nos faz reconhecer, o nosso caminho é mais seguro, tem também avanços e recuos, mas os avanços são mais constantes, porque é constante a vontade de nos levantarmos depois de cairmos, a paz e a serenidade tomam conta de nós, porque é no coração que o Senhor coloca o conhecimento do bem e do mal. Não é pela nossa cabeça, mas pelo amor que o Senhor coloca no nosso coração, que crescemos para o bem e morremos para o mal.
Antes a vida era difícil, muitas vezes sem esperança e desacompanhada.
Hoje a vida é difícil, mas vivida na esperança e na companhia daquEle que nunca nos abandona: Jesus.
Então assim entregues, Ele vem até nós e: é uma luz, uma suavidade, um amor, um toque, uma caricia, um carinho, um calor, uma presença que se desenvolve dentro de nós e nos enche por completo...




Escrito em 28 de Novembro de 2001

6 comentários:

malu disse...

Que te falta sentir e, arrisco mesmo perguntar-te: e saber?

Tenho vindo muito pouco ler, este, e outros dos nossos blogues por aí fora e deparo com este texto tão rico e já com um tempo, mas isto para dizer que falas no Espírito Santo e nos 'efeitos' que causa em quem O tem e recebe e com que inspiração! Porque me interpela; dei comigo a fazer comparações e a colocar-me questões, tudo a ver com um dos livros que me indicaste no qual é referida a frase "Tudo é graça" - de Sta. Teresa e que J.Lafrance explora até justificar o valor da oração, dizendo que essa graça, a da oração, é tudo.

Mas é "tudo" que leva ao "Tudo" deste teu texto. Infantilizei-me no modo de expressão, entusiasmada pela força das tuas palavras, quase palpáveis e divertida imaginando-te em calorosa discussão com J.Lafrance sobre afinal quem, e o que, é Tudo. Para mim, é este.

Admirei-te, sinceramente, a ler-te, não só 'a sabedoria' como o calor das palavras, sentindo-me pequenina e feliz no aprender.

Obrigadão! :)

joaquim disse...

Malu, é tudo graça de Deus.
Eu apenas dou a mão e a caneta, o resto faz Ele.
Confesso que quando escrevo, quando sinto que devo escrever, me empolgo, me deixo conduzir, me "encaloro" todo no Seu calor.
Mas é tão bom senti-Lo a mudar tudo em nós.
E melhor ainda porque a obra nunca está acabada, somos muito pouco perseverantes, e assim o Espírito Santo tem de ser presença constante.
Eu discutir com J. Lafrance?
Eu ficava era muito sossegadinho, sentado no chão, (apesar da minha provecta idade), a ouvir e beber tudo o que ele me quisesse dizer.
Obrigado Malu, que Deus te abençoe.
AbraçemCristo

malu disse...

"O Vento sopra onde quer" e nEle não há 'medida' terrena. Via-os mais num diálogo encalorado sim, na Sua procura e dando-nos a ver os reflexos da Luz nessa Vida.

Agora aqui, de repente, lembrei que em vez de tanto debate que a Tv usa e nos quais não se chega a lugar nenhum, mais interessante seria, talvez, juntar pessoas na mesma fé, deixando-as simplesmente oferecer-nos impressões das suas diferentes experências. No fim, sim, muitos ficariam a saber e de água na boca, quão inesgotável é O Assunto.

Abraços!

joaquim disse...

Pois, Malu, a ideia era boa se desse audiências!!!
Se tivéssemos um verdadeiro canal de televisão católico português esse poderia ser um grande programa.
Vamos escrevendo e dando testemunho do que vivemos.
Obrigado pelas tuas visitas.
AbraçemCristo

J disse...

Joaquim,

Demorei algum tempo a "digerir" o seu texto, mas soube-em tão bem! Estava mesmo delicioso, bem temperado e preparado, dizia tudo aquilo que Sinto e que Quero fazer na minha vida, que o Espirito Santo nos acompanhe a todos e seja fonte de iluminação de Cristo Vivo na vida de cada um de nós.

Um grande beijinho e obrigado por ter cedido ao meu pedido
e Obrigado por todos os seus textos que me fazem rezar com Ele

joaquim disse...

De nada Joana, obrigado pelas tuas palavras.
Entregues a Ele deixemo-nos guiar na Sua vontade.
Abraço em Cristo