quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O DEMÓNIO E AS TENTAÇÕES (2)

.
.
Não pretendo, obviamente, com estes textos, fazer nenhum “tratado” sobre o Demónio, ou “estudo” sobre a Demonologia, (pois para isso há diversos livros que poderei indicar), mas tão só reflectir e partilhar, (em pensamentos e palavras simples), sobre aquilo que no dia-a-dia nos é dado a conhecer e viver sobre este assunto.

Partindo do texto anterior é-nos dado perceber que hoje em dia, muitas pessoas atribuem ao Demónio, acontecimentos, acções e atitudes, que depois de bem analisadas, percebemos que são afinal “coisas” do dia-a-dia, do viver de cada um.

A procura de justificações para coisas que não parecem à partida “normais”, o sentido da procura do sobrenatural que hoje em dia tantos vivem, (tantas vezes de maneira errada), os discursos “inflamados” de alguns para tentarem levar as pessoas a Cristo por medo ao demónio, leva a que muitas pessoas não analisem com bom senso os factos de que são “vítimas”, (e de que não poucas vezes são os próprios “culpados”), a atribuírem ao Demónio coisas que, como dizia acima, são factos do dia-a-dia.

Contribui, aliás, certamente para tudo isto, a invasão diária pela televisão e outros meios, de cartomantes, videntes, médiuns, e tantas coisas mais, que nos levam a olhar para o sobrenatural como algo que nos mete medo, e que influencia as nossas vidas sem nos podermos defender.

A título de exemplo conto, que há poucos anos, veio uma pessoa ter comigo pedindo conselho e oração, pois tinha a certeza que o Demónio estava a influenciar a sua vida, (tal como pessoas “amigas” lhe diziam e afirmavam), e ela já não colocava em dúvida, estando assustada e em certo sentido “desesperada” sem saber o que fazer.

Resumindo a conversa, forçosamente longa, os factos mais importantes desenvolviam-se numa semana e eram os seguintes: tinham assaltado a sua casa, a sua filha tinha abortado naturalmente e o seu neto tinha tido um acidente de automóvel.

Conversámos sobre a vida que essa pessoa levava, sobretudo da sua vivência cristã, e depois analisámos calmamente os factos que a levavam a pensar que o Demónio andava a “atormentar” a sua vida.

A casa tinha sido assaltada, quando essa pessoa se deslocou ao supermercado por 10 minutos e deixou as janelas abertas. Só que demorou mais de uma hora e quando regressou a casa tinha sido roubada.
A filha tinha abortado naturalmente, mas já era a terceira vez, (tendo apesar de tudo já um filho, salvo o erro), e já tinha sido alertada pelo seu médico, pois tinha alguns problemas físicos que podiam provocar precisamente o aborto natural.
O neto tinha 18 anos, carta de condução recente, e o acidente tinha acontecido numa madrugada de sábado.

Obviamente que a pessoa, colocada perante os argumentos, percebeu que tudo o que tinha acontecido era “normal” na vida do dia-a-dia, e que não era o Demónio que se andava a encarniçar contra ela.

Mas a verdade é que, (por força do que lhe tinham dito e da sua própria “convicção” induzida pelo que ouvia), essa pessoa tinha vivido dias verdadeiramente assustada com a possibilidade de o Demónio estar na sua vida.

Com isto quero eu dizer que o Demónio não pode actuar e influenciar a vida das pessoas?
De modo nenhum o quero dizer, ou afirmar, mas sim que devemos ter sempre a perspectiva correcta daquilo que realmente se passa, e sobretudo não nos deixarmos influenciar por quem em tudo vê o Demónio.

Fomos criados por Deus em liberdade, e é em liberdade, perante Deus, que tomamos as nossas decisões, e que fazemos as nossas acções.

Podemos ser tentados a fazer o mal?
Sim, com certeza!
Mas só o fazemos, se verdadeiramente nos dispusermos a fazê-lo.

Eu posso ser tentado a beber demasiadamente e ficar bêbado, mas não é o Demónio que me senta ao volante do meu carro.
Eu posso ser tentado a cometer um aborto, mas não é o Demónio que toma a decisão e me leva a essa acção.
Eu posso ser tentado a mentir, mas não é o Demónio que fala pela minha boca.

Com certeza que aqui não estamos a falar de possessões demoníacas, (muito raras entre nós), mas sim na acção tentadora do Demónio que apenas se torna efectiva pela nossa vontade, pelo nosso querer.

Lembremo-nos sempre:
«Não vos surpreendeu nenhuma tentação que tivesse ultrapassado a medida humana. Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados acima das vossas forças, mas, com a tentação, vos dará os meios de sair dela e a força para a suportar.» 1 Cor 10, 13

Por isso a vigilância constante, permanente, que passa pela vida de oração, pela leitura orante e o estudo da Palavra de Deus, pelos Sacramentos, mormente a Confissão e a Eucaristia, (com a Comunhão Eucarística), com o aprofundar da fé, ouvindo a Igreja que ensina pela voz dos seus membros, pelos documentos colocados à disposição dos fiéis, pela voz do Santo Padre, lendo livros reconhecidamente católicos e pedindo conselho a quem efectivamente os pode dar, como os sacerdotes e leigos empenhados e reconhecidos como tal.

«No entanto, o poder de Satanás não é infinito. Satanás é uma simples criatura, poderosa pelo facto de ser puro espírito, mas, de qualquer modo, criatura: impotente para impedir a edificação do Reino de Deus.» Catecismo da Igreja Católica 395


Monte Real, 20 de Janeiro de 2011
(continua)
.
.

14 comentários:

Je Vois la Vie en Vert disse...

Palavras tão sábias que gostei de ler.

Beijinhos
Verdinha

Espectadores disse...

Muito sensato!
Abraço, Joaquim!

Paulo disse...

Pois amigo Joaquim, "sinto" que nós meras criaturas de Deus, temos essa dualidade desde a nascença connosco, isto é, o seguir o bem ou seguir o mal, e o caminho somos nós que o fazemos. Deus, deu-nos essa liberdade. Acredito que está sempre connosco, acredito na intercepção de Maria e dos Santos, para que nós sigamos Deus pelo verdadeiro caminho, mas só se quisermos. Penso que o "caminho do mal" somos nós que o fazemos voluntáriamente e aí, "talvez" alguma criatura menos pura nos encaminhe para um caminho menos verdadeiro.
Por último, penso que apesar de se apregoar que Deus é Amor, dever-se-ia também falar um pouco mais sobre as "tentações do mal" e os caminhos a que nos levam. Falo apenas na realidade em que estou inserido, estando por isso, sujeito a que em Portugal continental, a realidade geral não seja igaul.

DE MÃOS DADAS disse...

Joaquim.
Estamos como dizes em presença de uma cultura que infelizmente condiciona a mente das pessoas.
Claro que Deus é o Bem, mas o mal existe e se escolhemos o mal em obras ou em pensamentos é o diabo...
Gostei muito de reflectir sobre este tema
Obrigado.
Abraço amigo em Cristo
Utilia

JM Ferreira disse...

Olá Joaquim;

Aqui estou eu outra vez a partir do Vouga.
Li atentamente este desenvolvimento de ideias. Acho-as perfeitamente aceitáveis, ponderadas e até úteis para uma maioria.
Ressalta destas ideias a liberdade que comentei anteriormente, que Deus dá a cada um de seguir o seu próprio caminho. O do Bem (que Deus nos dá gratuitamente) ou o do mal (que vem de espíritos impuros e malignos).
Isto para resumir que Deus Criador e Amor, não coloca o Homem em posição de um ser subjugado, mas em total liberdade. A seguir vem a atribuição da responsabilidade e o julgamento.

Até um dia destes.
JM Ferreira

joaquim disse...

Verdinha

Obrigado!

Já não te "via" por aqui há muito tempo!

Que Deus te abençoe

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Meu caro Bernardo

Muito obrigado!

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Caro Paulo

Deus criou-nos no amor e criou-nos intrinsecamente bons.

No entanto o homem deixou-se arrastar pela tentação do mal e assim sendo deixou-se tocar por este.

Mas Deus Pai, dando-nos Jesus Cristo, Seu Filho, feito Homem como nós, pela Sua Paixão e Morte na Cruz e pela Sua Ressurreição, fez-nos vencedores com Ele se n?Ele permanecermos.
E enviou-nos o Espírito Santo, que nos fortalece e guia, dando-nos tudo o que precisamos para resistir às tentações e ao mal.

Por isso, como dizes e eu digo, compete ao homem fazer a sua parte que é resistir ao mal pela sua vontade própria e alimentando-se, fortalecendo-se com tudo o que o Senhor colocou à disposição do homem, nomeadamente a Igreja e os Sacramentos.

A realidade do mal, meu amigo, está infelizmente em todos os lados, mas na perseverança da oração, na comunhão com Deus, somos sempre vencedores.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Amiga Utilia

O mal rodeia-nos de todos os lados, é certo, por isso como nos diz São Pedro:
1 Pe 5, 8 «Sede sóbrios e vigiai, pois o vosso adversário, o diabo, como um leão a rugir , anda a rondar-vos, procurando a quem devorar.»

Abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Olá José Ferreira

Nem mais!

Deus criou-nos em liberdade e em liberdade decidimos se O queremos seguir ou se nos afundamos no mal.

Abraço amigo em Cristo

teresa disse...

os teus textos trazem sempre um pouco de sabedoria para as nossas vidas .
gostei de te ler ...

beijo ....

concha disse...

Amigo Joaquim
Depois de te ler fiquei mais esclarecida.
Obrigada com um abraço na Paz de Cristo

joaquim disse...

Obrigado Teresa

As tuas palavras são um incentivo.

Glória ao Senhor.

Um abraço amigo em Cristo

joaquim disse...

Obrigado Concha

Eu também, pois esmpre que escrevo medito e vou descobrindo o caminho que me é dado a caminhar.

Louvado seja Deus.

Um abraço amigo em Cristo