domingo, 21 de dezembro de 2008

«PAZ NA TERRA AOS HOMENS DE BOA VONTADE.»

.

.
Ali, longe de tudo e de todos, preparava-se para passar aquela noite.

Já nem se lembrava bem como tudo tinha acontecido, para que ficasse sozinho naquela noite de Natal.

Sim, era preciso ficar alguém toda a noite naquele posto, a presença física era imprescindível, e tinha de manter-se acordado para que nada falhasse na fábrica.

Era verdade que o regulamento previa pelo menos duas pessoas, mas ele realmente não tinha ninguém, estava longe do seu país, da sua família, das suas tradições, e apenas lhe restava ir para o dormitório, para junto dos seus compatriotas, que se calhar até aproveitavam a noite para irem aos bares, para irem beber, e isso ele não lhe apetecia.

Os colegas de trabalho tinham-se despedido todos com um abraço, e apesar de não serem da sua nacionalidade ele ficou a pensar como a noite de Natal modificava as pessoas.

Até parece que tinha sentido calor, verdade, naqueles abraços!

De tal modo, que ao olhar para aquele que devia ficar com ele lhe perguntou no seu arremedo da língua do país de acolhimento:
«Tu não tens família, mulher, filhos?»

O outro, de cabeça baixa, entristecido, respondeu:
«Tenho, claro que tenho, e custa-me muito não estar com eles.»

Sem quase se aperceber, tinha sentido a sua boca abrir e saírem estas palavras:
«Vai lá ter com eles, que eu fico aqui a tomar conta de tudo.»

O outro replicou:
«Mas tu não podes ficar aqui sozinho, numa noite destas!»

Mas ele insistiu:
«Vai te embora, antes que me arrependa. Não tenho para onde ir, nem ninguém com quem estar e aqui sempre está mais quente que no dormitório. Vai-te embora, antes que se faça tarde.»

O outro abraçou-o com lágrimas nos olhos e ele sentiu-se bem por ter tido aquele gesto, aquela atitude.

Mas agora, agora que a noite ia passando, a coisa estava a ficar muito difícil.

Não tinha sono, felizmente não tinha, por isso o estar acordado não lhe custava nada.

O que lhe custava era pensar nos outros em suas casas, com as suas famílias e ele ali sem ninguém e ainda por cima tão longe da sua mulher, dos seus filhos.

Que raio de vida que o fizera emigrar para tão longe para poder obter um mínimo de rendimento, para tentar dar algo mais à sua família.

Naquele momento colocava tudo em causa!

Se valia a pena este sacrifício, este afastamento tão doloroso que tanto lhe “mordia” o coração, que tanto lhe custava a viver.

E os pensamentos iam-se sucedendo e em nada ajudavam aquela situação.

Sentia-se sozinho, sem ninguém, perdido num mundo que não era o dele, numa língua e tradições diferentes, sem amigos, sem um abraço, sem o calor de um sorriso, sem sequer um sentimento de que alguém se preocupava com ele.

Duas grossas lágrimas correram pela sua cara e ele não pode deixar de se entristecer ainda mais.

Olhou para o relógio. Não sabia bem para quê, pois tinha a noção que a noite ainda agora tinha começado.

Mas ficou ali a pensar que àquela hora a sua mulher, os seus filhos, os seus pais, caminhavam no meio da neve, do gelo, para a igreja lá da terra, para celebrarem juntos, em comunidade, a noite de Natal.

Parecia-lhe até que conseguia ouvir aqueles cânticos eslavos, tão entranhados no seu coração, tão recordados na sua memória.

Tornava-se tudo tão real que conseguia ouvir crianças a rir, mulheres e homens a falar, o ruído de pessoas que caminhavam, que se juntavam, que festejavam.

Mas nesse instante tudo se esfumou, todos aqueles sons que lhe tinham sido tão agradáveis tinham deixado de se ouvir, e um silêncio pesado e triste tornava a tomar conta de tudo.

De repente deu um salto, pois tinham batido à porta da sala onde estava e que dava para o exterior, para a rua.

Receoso, e pensando quem poderia ser àquelas horas e naquela noite, foi abrir.

Uma explosão de risos, de conversas, de cânticos atingiu-o no coração!

Lá fora, na noite fria de Natal, estavam os seus colegas de trabalho, com as famílias, as crianças rindo e cantando, e todos juntos gritaram ao mesmo tempo:
«Feliz Natal, Yuri!»

As lágrimas, (estas de alegria), “rebentaram” nos seus olhos, a boca abriu-se numa gargalhada, os braços abriram-se num abraço imenso, e o seu coração disse-lhe baixinho:
«Vês Yuri, o Natal encontra sempre os homens de boa vontade!»


29 de Outubro de 2008


Com este conto muito simples, quero desejar a todas amigas e todos os amigos que aqui me visitam um Santo Natal, cheio da paz e amor de Deus, e que vivendo-o assim, sejamos mais irmãos, sejamos “mais” filhos de Deus, amando-nos como Ele nos ama.


Este conto foi enviado para um projecto da Casa do Gil.

.

.

33 comentários:

Fa menor disse...

É fácil comover-me, já sabes...
As lágrimas afloraram-me aos meus olhos. Gostei muitissimo do teu conto. É bem verdade que "o Natal encontra sempre os homens de boa vontade!"

(tambem já publiquei o meu nos Retalhos e Rabiscos)

Feliz Natal para ti e toda a tua família. Que o Menino Deus vos abençoe!

Canela disse...

Sem dúvida um belo conto.

Na realidade, ainda vão aparecendo corações generosos assim.

Votos de um Santo e feliz Natal.

José A. Vaz disse...

Um Santo Natal!

Maria João disse...

Ainda não posso ler. Mas voltarei.

Deixo a minha mensagem de Natal.

Não te esqueças que o Natal, ou seja o nascimento de Jesus acontece todos os dias. Abre-Lhe a porta!

beijos em Cristo e Maria

Dennys Reys disse...

Lindo texto. Feliz Natal!

Paulo disse...

Desejo-te um Santo Natal e que o ano de 2009 te traga tudo o que desejas.

Ecclesiae Dei disse...

Puxa, realmente comovente... Quase não consigo segurar as lágrimas ao final!
Que Deus abençõe, querido amigo Joaquim! Que tenhas um Natal abençoado com tua família e amigos, e que Jesus os encha da graça, amor e paz!!!
abraços fraternos!

joaquim disse...

Amiga Fa

A lágrima fácil significa um coração sensível e isso é muito bom num mundo que apenas dá valor à frieza, ou melhor, ausência de sentimentos.

Obrigado pelas tuas palavras.

Já fui ler o teu conto. Lindo!

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Amiga Canela, obrigado pelas tuas palavras.

Espero bem que sim que ainda haja neste Natal muitos corações assim.

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Amigo José Vaz, obrigado.

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Cá te espero, Maria João, minha amiga.

Luto sempre para não O esquecer!

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Caro Dennys Reys

Obrigado pela visita e pelas palavras.

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Paulo, meu amigo, obrigado.

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Amigo João Baptista, obrigado pelo teu coração sensível e pelas tuas palavras e votos.

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

Paulo Costa disse...

Amigo Joaquim

Venho desejar a ti e aos teus, um Santo e Feliz Natal!

Desejo que nas vossas vidas, cada noite possa vir a ser como uma noite de Natal, uma noite iluminada, a partir de dentro...

Abraço fraterno!

Alma peregrina disse...

Foi um lindo conto, Joaquim. Foi você quem o escreveu? Muito simples e comovente, de facto!

Também aproveito a ocasião para lhe desejar um SANTO E FELIZ NATAL!!!

Alma peregrina disse...

OOOOOOOOHHHH!!! Só agora eu li sobre a iniciativa para a Casa do Gil! Estou desoladou... gostava de ter participado... adoro escrever...

Bem, enfim... eu também publiquei um conto no meu blog. Não é natalício, mas foi escrito do coração.

Mais uma vez, Feliz Natal!

Ver para crer disse...

Lindo conto, sim senhor.
Obrigado pelos votos deixados no meu blog. E os mesmo para si.

sedente disse...

Um santo Natal!
Abrç+

joaquim disse...

Obrigado amigo Paulo Costa

Já te deixei os meus votos de Santo Natal no teu espaço, mas reitero-os aqui.

Que Deus te abençoe.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

caro amigo Alma peregrina

Fui realmente eu que o escrevi com outros que já aqui publiquei.

Um dia destes envio-tos por mail.

Também gostas de escrever...quem diria...eheheh

Já passei no teu espaço a ler o conto e deixei os meus votos de Santo Natal que aqui reitero.

Que Deus te abençoe.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Padre amigo

Os seus comentários são sempre um incentivo para mim.

Obrigado.

Novamente um Santo Natal para si, todos os seus e seus paroquianos.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Amigo Sedente

Obrigado.

Que Deus te abençoe neste Natal e sempre e a todos os teus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

Ver para crer disse...

Passo para desejar um Bom Natal.
E também para dizer que mudei de casa.
Agora estou em http://vejaparacrer2.blogspot.com, ainda com o nome de Ver para Crer.
Boas Festas!

Cadu disse...

Passando para deixar meus votos de um feliz e Santo Natal!

Dominus Vobiscum

joaquim disse...

Padre, meu amigo

Obrigado.

Lá estarei no seu novo espaço.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Amigo Cadu

Obrigado.

Um Santo Natal para ti e todos os teus, na paz de Jesus.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

malu disse...

Também gostei muito do teu conto e desejo-te um Santo Natal.

Com abraços em Cristo e Maria.

Cátia disse...

Meu Amigo Joaquim,

Este ano fui participar no jantar dos Sem Abrigo de Lisboa, o que fez estar mais ausente da net. Só hoje consegui aqui chegar.

Obrigada por teres participado neste projecto... Valia apenas pelo fim, nao é verdade? Mas de facto o conto está belissimo..

Feliz Natal para ti e para todos os que amas, que o Menino possa nascer em nós todos os dias.

Beijinho e abraço

joaquim disse...

Obrigado Malu, amiga sempre presente.

Desejo que tenhas passado um santo e carinhoso Natal.

Beijo amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

joaquim disse...

Amiga Cátia

A razão da ausência foi óptima e de certeza que Ele te recompensará como só Ele sabe recompensar.

Claro que o que interessava no projecto seria a finalidade, e é curioso que desde há uns anos para cá sempre sinto necessidade no Natal de escrever um conto que normamente me toca profundamente e me faz mais consciente do que verdadeiramente é o Natal.

Desejo que tenhas passado um santo e feliz Natal e que o Ano Novo te traga o que mais desejas.

Beijo amigo em Cristo e Maria do
Joaquim

Maria João disse...

Sem palavras ... Fico apenas com este arrepio de quem acabou de ouvir uma estória tão bela...


beijos

joaquim disse...

Obrigado Maria João.

Abraço amigo em Cristo e Maria do
Joaquim