terça-feira, 25 de março de 2014

O SIM MAIS DIFÍCIL DA HUMANIDADE

.
.








Será mais fácil dizer sim ou dizer não?

À primeira vista pareceria que seria bem mais fácil dizer sim.
Dizendo sim, faz-se a vontade do outro e portanto termina por aí tudo o que uma situação exige, ou seja, o outro fica contente, agradado, e nada mais exige de nós.
Ao dizer não, são precisas explicações, são precisos argumentos, para fundamentar o não a algo que nos é pedido, para além de que, apesar de tudo, ainda podermos incorrer no desagrado do outro e numa consequente frieza ou fim de uma relação.
Visto assim, poderíamos então inferir que é mais fácil dizer sim do que dizer não.

Pois, mas não foi assim com a Virgem Maria!

O sim que Ela disse foi bem mais difícil, foi bem mais complicado, do que o não que Ela poderia ter dito na sua liberdade.
Se dissesse não tudo terminaria ali para a sua pessoa, e como o outro neste caso era Deus, a sua relação com Ele continuaria exactamente a mesma, visto que Deus respeita a liberdade de cada um dos seus filhos, porque os ama com amor eterno.

Mas o sim de Maria foi bem mais difícil por muitas e variadas razões.

Primeiro, porque para dizer sim naquele momento, (a algo tão inverosímil), era preciso acreditar com fé firme que aquilo que o anjo Lhe dizia era possível, ou seja, que Deus queria e podia fazer aquilo para que Lhe pedia o sim.

Segundo, porque era preciso acreditar na sua humildade, que Ela era digna daquilo que Deus Lhe pedia, abandonando-se e aceitando a vontade de Deus, apesar de se reconhecer uma simples serva.

Terceiro, porque ficar grávida fora do casamento, quando se sabia que Ela «não conhecia homem» (Lc 1,34), era naquele tempo algo tão grave que podia levar à delapidação, à própria morte.

Quarto, porque perante esse estado de gravidez, aquele a quem Ela tinha sido entregue em casamento, José, podia repudiá-la com tudo o que isso significava naquela sociedade.

Quinto, porque o normal seria que a própria família a repudiasse.

Sexto, porque se fosse repudiada e sobrevivesse teria que, sozinha, alimentar, educar, tomar conta daquele Filho, que nunca seria aceite na sociedade.

Sétimo, porque se tentasse explicar a alguém o porquê do seu sim, apenas se ririam na sua cara e mais do que isso, condená-la-iam por blasfémia ao dizer que estava grávida do Filho de Deus.

E quantas razões mais poderíamos acrescentar, que à luz das nossas humanas fraquezas, “aconselhavam” um não à “proposta” feita.

Portanto, as razões para um não eram incomparavelmente “melhores” do que as razões que poderiam sustentar o sim naquele momento, e não nos esqueçamos que «Ela se perturbou», (Lc 1,29), pelo que não estava “fora de si”, mas sim perfeitamente consciente do momento e do que Lhe era pedido.

Sim, o Sim de Maria, foi o Sim mais difícil da humanidade e, ao mesmo tempo, o Sim mais importante da humanidade e para a humanidade.

Obrigado Mãe, porque «acreditaste, que se ia cumprir tudo o que te tinha sido dito da parte do Senhor.» (Lc 1, 45)

Obrigado Senhor por teres escolhido Maria como Mãe e obrigado Senhor por no-la teres dado como Mãe também.


Marinha Grande, 25 de Março de 2014
Joaquim Mexia Alves
.
.

quinta-feira, 20 de março de 2014

DIÁLOGO COM O DIABO (9)

.










Diz ele: Já não conversamos há muito tempo!

Digo eu: Dispenso bem as conversas contigo.

Diz ele: Pois, mas olha que te deixas muitas vezes levar pelo que te digo.

Diz eu: Lá nisso tens razão e nem fazes ideia como isso me dói quando de tal me apercebo.

Diz ele. Deixa-te disso! Há coisas que até te sabem bem!

Digo eu: Talvez no momento. Mas como não se pode servir a dois senhores ao mesmo tempo, acabo sempre por ficar triste e magoado por não ter servido o meu único Senhor, que não és tu.

Diz ele: Ficas dividido.

Digo eu: Não, não fico dividido! Nunca poderia ficar dividido porque de ti nada quero, mas apenas distância.

Diz ele: Olha que de vez em quando…?

Digo eu: Nem penses! Nunca me dividirás, porque se eu permaneço com Ele e n’Ele, tu nada podes.

Diz ele: Mas por vezes deixas que te afaste d’Ele!

Digo eu: Pobres vitórias as tuas! Passageiras e cada vez menos. As tuas vitórias são efémeras. A vitória d’Ele é para sempre! Agora vai-te e não me incomodes mais.



Monte Real, 20 de Março de 2014
Joaquim Mexia Alves
.
.

quinta-feira, 13 de março de 2014

TUDO ESTÁ CONSUMADO!

.
.
.
Quadro de Lazaro Lozano,
na igreja matriz de Monte Real











Naquele dia saiu de casa de cabeça baixa. Parecia que o mundo estava todo contra ele!
Parecia que tudo se tinha assanhado para o desprezar, para não permitir que uma simples boa notícia, uma simples alegria, tocasse a sua vida!
O emprego já era! Por causa disso mesmo a discussão em casa tinha sido violenta, e assim, até aquele refúgio que era sempre para si a sua mulher, os seus filhos, a sua simples casa, parecia-lhe agora também um lugar de martírio, de caras fechadas, de falta de ternura e entendimento!

Olhou para o passeio, para a rua, para as pessoas que passavam por ele, e pensou: Mas para onde raio é que eu vou? Não tenho sítio para onde ir!
Deixou-se andar por ali, perdido entre os homens, vagueando sem motivo, sem sentido, sem rumo. Uma tenaz de fogo apertava o seu peito, um peso enorme abatia-se nas suas costas, uma tristeza profunda tomava conta de si e o desânimo transformava-se rapidamente em desespero.

“O que ando eu aqui a fazer? Que sentido tem esta minha vida?”
As perguntas martelavam-lhe a consciência entorpecida por uma terrível frustração. E quanto mais se questionava, mais lhe voltava aquela ideia, que ao princípio lhe gelara o coração, mas que parecia agora ir fazendo sentido. Se não estava cá a fazer nada, mais valia morrer!

Os barulhos da rua, os carros a passar, as pessoas a falarem, o ruído da cidade, incomodavam-no! Precisava sair da rua para pensar um pouco.
Deu por si a passar em frente de uma igreja. Ele não era homem de Igreja, aliás, nem sequer era homem de Deus, embora tivesse sido educado catolicamente e percorrido todos os passos da catequese.

Lembrou-se, no entanto, que àquela hora ninguém estaria na igreja e por isso seria um bom sítio para se sentar e pensar um pouco, sem nada nem ninguém para o incomodar.
Entrou e nem sequer se deteve a olhar para o interior da igreja, mas apenas se sentou no primeiro banco e, debruçando-se para a frente, ali ficou a pensar.
Quanto mais analisava a sua vida e pensava no presente e no futuro, mais se tornava claro que a ideia de pôr fim à vida era o mais acertado e fazia todo o sentido.
Deixou-se ficar mais um pouco, enquanto a ideia ia ganhando força em si, de tal modo que deixou de ser ideia para se tornar decisão a cumprir.

Tomada a decisão, veio então ao seu pensamento uma frase: «Tudo está consumado!»
Um espanto atravessou-o! Já tinha ouvido aquela frase num qualquer sítio, num qualquer momento importante!
Levantou os olhos e o seu olhar fixou-se no enorme crucifixo que dominava toda a parte detrás do altar-mor da igreja. Lembrava-se agora onde tinha ouvido aquela frase!
Do pouco que ainda recordava da catequese, essa tinha sido a última frase de Jesus Cristo antes de morrer na Cruz.

Que coincidência! No momento em que ele decidia a sua morte, a frase que lhe vinha ao pensamento era a frase de Jesus Cristo ao morrer!
Ficou sem reacção e a cabeça voltou a recolher-se entre as suas mãos, sobre os joelhos.

Foi então que ouviu distintamente, (juraria em qualquer lugar que assim tinha ouvido), uma voz que lhe dizia: «Meu filho, morrer antes do tempo de cada um, só tem sentido se for para morrer pelos amigos!»

Levantou a cabeça, olhou para todos os lados, mas não viu ninguém.
Em voz baixa, com um sentimento de que estava a cometer uma loucura, perguntou: O que é isso de morrer pelos amigos?

Desta vez pareceu-lhe ouvir a voz no seu coração, o que ainda lhe causou mais admiração:
«Morrer pelos amigos é muitas coisas, mas no teu caso é deixares de pensar em ti próprio, nas tuas “desgraças”, nos teus desânimos, e perceberes que aqueles que estão à tua volta te amam e que não é por um momento mau, por uma discussão, que não deixam de te querer e de sentir profundamente a tua falta.»

Deu por si a responder à voz: Não me parece! Aliás se eu desaparecer tudo se torna mais fácil!

Mas a voz insistia: «Pensa um pouco. Com a tua morte constróis alguma coisa? Com a tua morte o amor vence a amargura e a tristeza? Com a tua morte fica alguém mais feliz? Sabes bem que não.»

Então ele respondeu: Sei quem Tu és! Esta voz só pode ser a voz de Jesus Cristo que ouço no meu coração. Por isso Te pergunto se não morreste Tu também? Não Te deste à morte também?

A voz enterneceu-se ainda mais: «Mas meu filho, não fui Eu que causei a minha própria morte! Mataram-me! Eu dei a vida pelos amigos, dos quais tu fazes parte. Repara quantos se unem à volta da minha morte e da minha ressurreição? Não trouxe Eu um bem maior quando morri e ressuscitei?»

Sim, é certo. Isso é verdade, Mas eu não tenho ninguém!, respondeu.

«Tens-me a Mim, que dei a vida por ti. Não dês a tua vida à morte! Se queres dar a vida, dá-a àqueles que te amam e precisam de ti e que em casa te esperam para te abraçar.»

Duas grossas lágrimas caíram-lhe pela face.
Levantou-se decidido a lutar pela vida e dirigiu-se àsaída da Igreja.
Mas antes de sair, voltou-se, fixou a Cruz e disse a meia voz: 
Nunca pensei falar assim contigo, nem sentir o que sinto. Fico admirado comigo mesmo, e por isso Te digo que se estás comigo, então já não tenho medo e a vida tem outro sentido. Obrigado, Senhor Jesus!



Marinha Grande, 13 de Março de 2014
Joaquim Mexia Alves


.
.

sábado, 8 de março de 2014

SOU TEU, SENHOR! OBRIGADO!

.
.











Porque é que de repente sinto esta necessidade de escrever o que me vai no coração, o que me vai na alma?
Não sei, nem sei bem realmente o que me vai no coração e na alma.
Sei que sinto uma “incontrolável” vontade de dar graças quando surge mais uma provação.
E fico a pensar se essa vontade de dar graças é sincera, ou se é apenas uma “fuga” a pedir protecção para a dificuldade que vou atravessar.

Não há dúvida para mim que o caminho que escolheste para me guiar, Senhor, passa por estas provações, por vezes tão duras, sobretudo para o meu modo de ser.
Mas também percebo que será o único meio de derrubar as minhas fraquezas, os meus orgulhos, as minhas vaidades.

E quanto mais Te dou graças, mais se acalma o coração e mais a certeza de que estás connosco, de que estás comigo, se torna real e verdadeira.
E na tranquilidade da confiança que nesses momentos em mim colocas, se vai fazendo verdade, calma e serenamente, o pensamento de Santa Teresa de Ávila: «Nada te perturbe, nada te espante, tudo passa, Deus não muda, … Quem a Deus tem, nada lhe falta: Só Deus basta.»

Tão agarrado às coisas, tão agarrado ao passado, tão agarrado às emoções, como posso eu dar espaço para Tu me preencheres?
Mas Tu conheces-me e sabes do meu profundo desejo de Te viver inteiramente, e por isso mesmo me ajudas a libertar do que afinal ocupa espaço de “amores”, que não dão espaço ao teu amor.

Mas dói, Senhor, de vez em quando dói muito!
Mas é na dor, afinal, que eu encontro o teu amor!

Vem-nos sempre ao pensamento que morreste por todos nós!
Mas quantas vezes penso eu verdadeiramente que ao morrer por nós, morreste por mim?
Se escutar verdadeiramente no coração, não Te ouço eu dizer naquela Cruz, naquela hora: «Perdoa ao Joaquim, Pai, que ele não sabe o que faz.»
Se olhar com os olhos do coração, não vejo eu o teu olhar, para mim voltado, naquela Cruz, naquela hora, a “dizer-me”: «Morro por ti, Joaquim, porque te amo com amor eterno.»

Deste-me tudo, Senhor!
Queres que eu dê tudo, também, nas forças com que me capacitas para dar.

Então, Senhor, toma tudo aquilo que sou, aquilo que tenho, aquilo que amo, a vida que me deste, mas não por mim, Senhor, mas por aqueles que me deste, por aqueles que todos os dias colocas na minha vida, por aqueles que Te procuram, por aqueles que não Te conhecem, por aqueles que não te amam, por aqueles que nada têm, e sobretudo por aqueles que não Te querem ter, porque a esses tudo falta, porque recusam o teu amor.

Ah, Senhor, e não Te esqueças, (como poderias Tu esquecer-te?), se não fores Tu em mim por eu querer permanecer em Ti, então não serei capaz, então não terei forças, então revoltar-me-ei, então perder-me-ei nas minhas fraquezas e não encontrarei caminho nas provações, não encontrarei sentido para as viver, para as aceitar e para Te dar graças, Senhor, sempre e em todos os momentos.

A Ti, Senhor, toda a glória e todo o louvor, agora e para sempre!


Marinha Grande, 7 de Março de 2014
Joaquim Mexia Alves
.
.

quarta-feira, 5 de março de 2014

SOU PÓ E CINZA!

.
.










Que pó é este que eu sou?
Sou um pó que pode ser varrido e atirado fora, ou sou um pó que “atingido” pelo Espírito Santo, se faz vida, se faz homem?

Sou o pó da terra de que o Criador se serviu para moldar o homem à sua imagem e semelhança, ou sou apenas o pó da terra que levado pelo vento, se desagrega, se divide, e para nada serve?

Sim, sei que sou apenas pó, mas posso ser pó de construção, útil e agregador, ou apenas pó que destrói, que incomoda e confunde.

E afinal o que é ser pó, nas mãos do Criador?
É ser nada, para que Ele seja tudo em nós!
Ele molda-nos, cria-nos, sopra e dá-nos vida, e depois … depois deixa-nos em liberdade, não deixando nunca de nos amar, para que conheçamos o amor e conscientemente possamos caminhar o Caminho que Ele mesmo nos mostra e oferece.

Ah, Senhor, quero ser este pó que se faz vida nas tuas mãos, vida para os outros, vida para Ti.

E como sou fraco, esquecido, ingrato, deixa, Senhor, que hoje receba as cinzas na minha cabeça, para não me esquecer nunca da minha condição de pó, mas o pó que com o teu amor transformas e se faz vida e alegria na comunhão contigo.

Como Abraão, Senhor, também Te quero dizer: «Pois que me atrevi a falar ao meu Senhor, eu que sou apenas cinza e pó, continuarei.»*

Olha para nós, Senhor, pó da terra que moldastes, não ligues aos nossos pecados, à dureza dos nossos corações, e derrama o teu amor que nos liberta do pecado, que amacia os corações, e mesmo que alguns não Te aceitem, Senhor, tem compaixão, deles e de nós, e salva-nos das nossas fraquezas.

Nas cinzas que hoje vou receber, Senhor, que eu me sinta pó, não um pó desprezível, mas um pó amado por Aquele que «renova todas as coisas»**.



*Gn 18,27
**Ap 21,5

Monte Real, 5 de Março de 2014
Joaquim Mexia Alves


.
.